Esquerdista cria hipótese absurda para dizer que “machismo impediu a evolução biológica das mulheres”

Desde que o jogador Tiffany Pereira ganhou o direito de jogar na Superliga feminina de vôlei, o assunto de transexuais nos esportes voltou a tona. No caso em questão especialmente porque Tiffany, que é na realidade homem por natureza, possui disparidades físicas se comparado às demais mulheres que praticam o esporte.

Dito isto, uma dessas blogueiras mirins resolveu criar uma hipótese absurda: “O machismo impediu a evolução biológica das mulheres”.

Sim, é isso mesmo. Em um texto escrito no Medium, uma tal Nathana Garcez, esquerdista, disse o seguinte:

Apesar de ainda pouco debatido, todo um estudo poderia ser feito sobre as consequências do machismo no processo de evolução biológico das mulheres. Para que se entenda as diferenças entre mulheres e homens no esporte é fundamental que se estude como o machismo dentro das sociedades impediu o acesso da mulher ao esporte de alto nível e consequentemente enrijeceu o processo de evolução do corpo feminino no que tange a extrapolar seus limites físicos. Apesar de acreditar que a questão do processo evolutivo é parte intrínseca do debate sobre mulheres trans em esportes femininos, divergir sobre ele acabaria nos levando para uma vertente do feminismo esportivo muito mais complexa e maior. 

Depois disso, ela mesma deixa escapar que as mulheres jogam vôlei em condições diferentes das que são usadas pelos homens, justamente porque possuem fisiologia diferente. Veja:

De fato, o vôlei de alto rendimento atual tem diferenças para homens e mulheres não só na fisiologia dos atletas como também nas regras do jogo. Na regra oficial da FIVB, por exemplo, a rede tem que estar à 2,43 metros no masculino do chão enquanto que no feminino ela fica à 2,24 metros. Em relação ao rendimento dos atletas, pesquisas mostram que os atletas homens costumam atacar a uma média de 3,65m do chão, enquanto mulheres atacam em média 3,10m, com um desvio padrão de 12cm. No bloqueio, os homens podem chegar à alturas como 3,35m ou 3,50m enquanto as atletas mulheres têm, em média, bloqueios de 2,97m. Além disso, existe também a diferença na velocidade de ataque e saque entre os gêneros.

Ou seja, no “artigo” ela reconhece que mulheres têm menor alcance em termos de altura para ataques ou bloqueios na rede, que elas possuem menor velocidade de ataque e saque, que elas precisam de uma rede um pouco mais baixa para jogar, mas acha que de alguma forma esse argumento todo serve para sustentar o jogador Tiffany em uma equipe feminina de vôlei, sendo que ele é homem e tem todas as vantagens que ela própria reconheceu que os homens têm em relação às mulheres nesse tipo de esporte.

É no mínimo patético.

Anúncios

3 comentários sobre “Esquerdista cria hipótese absurda para dizer que “machismo impediu a evolução biológica das mulheres”

    1. É difícl dar crédito ao que essa mulher fala, pois é um princpipio geral que só os mais adaptados e mais fortes evoluem, assim, se as mulheres não evoluiram isso se deve ao fato delas não serem naturlmente “competidoras” a altura dos homens.

      1. Homem não é superior à mulher por que leva vantagem em aspectos físicos…pois levamos desvantagem em vários outros…Na verdade somos muito dependentes das mulheres, sem elas nossa vida seria sem sentido e caótica…Elas também precisam da gente….Em fim, homem e mulher se completam…

Deixe uma resposta