Wesley Batista pede direito a total impunidade: “Estamos vivendo um retrocesso do que eu esperava que fosse”

O empresário Wesley Batista, um dos controladores do grupo J&F, negou ter descumprido as cláusulas do seu acordo de colaboração judicial e se disse injustiçado por estar preso enquanto pessoas que delatou estão soltas. “Estamos vendo colaboradores sendo punidos e perseguidos pelas verdades que disseram. Isso fez o Brasil se olhar no espelho, mas como ele não gostou do que viu, temos delatores presos e delatados soltos”, disse.

O empresário depõe, nesta quarta-feira (8), em reunião conjunta da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga a JBS e da CPI do BNDES (do Senado). Para que Wesley fosse depor, a Casa reforçou a segurança e convocou toda a polícia legislativa.

Wesley Batista disse não estar arrependido de colaborar com a Justiça e descreveu o processo de delação premiada como uma decisão “difícil e solitária”, além de ter classificado a reviravolta dos benefícios que obteve com a colaboração como um “retrocesso”. “Ser colaborador dá medo e causa muita apreensão. […] Na condição que me encontro, descobri que o processo é imprevisível e inseguro”.

Apesar da expectativa sobre sua fala, ao ser questionado pelo presidente da CPMI, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), o delator afirmou que não responderia perguntas de deputados e senadores. “Mas tão logo seja resolvida a pendência relativa à minha colaboração, me coloco à disposição para dar as informações necessárias”.

Os irmãos Wesley e Joesley Batista estão presos desde setembro, suspeitos de usar informações privilegiadas para obter lucro com compra de dólares e venda de ações da própria JBS antes da divulgação do acordo de colaboração que fizeram com o Ministério Público.

Logo após Wesley ter avisado que não responderia às perguntas,  Ataídes Oliveira avisou que, mesmo assim, os parlamentares poderiam fazer as perguntas. Aos questionados e provocações direcionadas a ele, Wesley responde apenas: “Com todo respeito, seguirei orientações dos advogados e me manter em silêncio”. O empresário depõe nesta quarta-feira (8),  na condição de convocado, no plenário 2 da ala Nilo Coelho, no Senado.

A informação é do Congresso Em Foco.

Anúncios

Deixe uma resposta