Citado em delação de Wesley Batista, irmão de Ciro Gomes (sem mandato) não quer ser investigado pela Justiça comum, mas pelo Supremo

O ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o envio das menções a seu respeito na delação do grupo J&F à Justiça Federal do Ceará. Cid não tem mandato atualmente e deve ser investigado na Justiça comum, como determinou o ministro Edson Fachin, relator do caso, mas o ex-governador quer que isso ocorra na Corte. Como argumento, Cid afirmou que o nome do deputado federal Antonio Balhmann, também do PDT cearense, foi citado no mesmo contexto.

De acordo com Wesley Batista, um dos donos do J&F, Cid pediu “propina” para a campanha de 2014 do atual governador cearense, Camilo Santana (PT), em troca da liberação de créditos tributários. O empresário afirmou que o dinheiro foi repassado na forma de doação oficial, algo que, segundo ele, também ocorreu na reeleição do ex-governador. Atualmente licenciado da Câmara, Balhmann foi um dos porta-vozes da proposta.

As informações são da Época.

Anúncios

Um comentário sobre “Citado em delação de Wesley Batista, irmão de Ciro Gomes (sem mandato) não quer ser investigado pela Justiça comum, mas pelo Supremo

Deixe uma resposta