Senadores do PT se unem para manter truque de vagueza para uso político do termo “trabalho escravo”

Veja o que foi informado no site do Senado:

Senadores do PT apresentaram, na última terça-feira (17), projeto de decreto legislativo para sustar norma governamental que alterou as regras para a fiscalização do trabalho escravo. A Portaria 1.129/2017, publicada no Diário Oficial da União no começo da semana, determinou que jornadas extenuantes e condições degradantes, a partir de agora, só serão consideradas trabalho análogo à escravidão se houver restrição de locomoção do trabalhador. Antes da portaria, o trabalho para ser considerado escravo precisava envolver servidão por dívida, condições degradantes, jornada exaustiva e trabalho forçado. Com a publicação do documento, passa a ser imprescindível também comprovar a restrição da liberdade de ir e vir.

Na verdade o que se quer mesmo é manter uma legislação vaga que dá possibilidades para que ativistas de extrema esquerda, tais como MST, usem isso como forma de pressionar e chantagear empresários, especialmente os do setor rural. Não há preocupação nenhuma com o trabalho escravo. Se houvesse, estariam gritando contra o Mais Médicos, que trouxe cubanos escravos de Fidel para o Brasil.

A lei atual é propositadamente vaga para tachar qualquer irregularidade banal como “trabalho escravo”, inclusive banalizando os verdadeiros casos de escravidão.

Anúncios

Um comentário sobre “Senadores do PT se unem para manter truque de vagueza para uso político do termo “trabalho escravo”

  1. SENADORES DO PT, OU DE QUALQUER OUTRA SIGLA, SÓ ESTÃO LÁ PARA, DIFICULTAR A VIDA DE EMPRESÁRIOS E DEPOIS EXTORQUI-LOS MEDIANTE O PAGAMENTO DE PROPINA, E OS FISCAIS CRIADOS PARA, EXIGIR O SUA PROPINA, NÃO FISCALIZAM NADA, BASTA VOCÊ ENTRAR EM LANCHONETES EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES DE HIGIENE EM SP O FISCAL SAI COM O DELE NA MÃO E O CLIENTE COMENDO O PIOR ATÉ COM COLIFORMES FECAIS, QUE FISCALIZAÇÃO E ESTA, EMPRESÁRIOS HONESTOS TEM QUE DENUNCIAR ESTA CORJA, E COMEÇAR A MUDAR O RUMO DO PAÍS.

Deixe uma resposta