Justiça determina demissão de jovens aprendizes em ONG porque o trabalho é “prejudicial à formação do menor”

A ONG Legião Mirim, concessionária da Zona Azul na cidade de Tupã-SP, foi obrigada por uma decisão da justiça trabalhista a demitir 94 jovens carentes empregados como aprendizes que vendiam cartelas de estacionamento. Como resultado, a entidade assistencial teve que contratar 32 maiores de idade e demitir 60 dos 94 menores de idade carentes que empregava.

A Legião Mirim de Tupã existe desde 1968 e desde 2010 é conhecida na cidade por ser a responsável pelo primeiro emprego de muitos jovens carentes entre 16 e 17 anos. Todos eles recebiam um salário mínimo e demais “direitos” trabalhistas, além de cursos de formação e acompanhamento psicológico e social.

Para os menores exercerem o trabalho nas ruas é necessário que haja autorização judicial, a qual sempre foi concedida pelo juiz da Infância e Juventude de Tupã, mas, “em uma resolução recente, a competência para a análise desse pedido foi transferida para a Justiça do Trabalho, a qual criou departamentos regionalizados para tal fim, ficando, então, Tupã subordinada à cidade de Presidente Prudente”, afirmou João José Pinto, presidente da entidade.

O magistrado responsável em Presidente Prudente, José Roberto Dantas Oliva, negou a autorização de renovação sob o fundamento de que o trabalho nas ruas é “prejudicial à formação do menor e coloca em risco a sua segurança”. De acordo com João José, “a decisão judicial sequer considerou que os menores da Zona Azul têm que frequentar a escola por meio período, realizam cursos de formação profissional e recebem acompanhamento de assistência social e psicóloga. Eles contam com o apoio dos agentes de trânsito e de fiscais da Zona Azul que circulam de motos, além de Tupã ser considerada uma das (cidades) mais seguras cidades da região. Também desconsiderou totalmente a parte financeira, pois os jovens, em sua maioria, são de famílias carentes e o salário recebido complementa a renda familiar, além dos lanches diários que são concedidos pela Legião Mirim”, acrescentou.

O presidente da Legião Mirim de Tupã informou que já entrou com recurso junto ao Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região para reformar a decisão, inclusive alegando a incompetência da Justiça do Trabalho. “Mas, como a sentença tem efeito imediato, até mesmo tendo o juiz notificado o Ministério do Trabalho para fiscalização, as demissões terão que ser efetuadas, sob pena da Legião Mirim sofrer pesadas multas”, ressaltou.

Como resultado da decisão judicial, a entidade fechou o mês de setembro com prejuízo de R$ 33.339,06, dado que a ONG teve que gastar R$ 38.940,86 somente com as rescisões dos contratos de trabalho dos jovens aprendizes.

As informações são do Instituto Liberal de São Paulo.

Anúncios

Um comentário sobre “Justiça determina demissão de jovens aprendizes em ONG porque o trabalho é “prejudicial à formação do menor”

  1. O que faz bem a formação do menor é roubar, usar droga, não gostar de estudar, não obedecer e respeitar ninguém, já que trabalhar prejudica a formação dele. Os responsáveis por essas decisões absurdas só aportamm a nossa sociedade falta de responsabilidade e bom senso, deveriam ser destruídos de seus cargos e isolados da sociedade, pois este tipo de pessoas estão contribuindo para a formação de jovens bandidos que ja abundan, nao precisamos de mais!!!!

Deixe uma resposta