Onda liberal-conservadora que preocupa elite “artística” é reação tardia a uma campanha de ódio declarada contra o povo

por Roger Scar

As elites políticas e artísticas do país estão extremamente preocupadas com o crescimento exponencial de uma alegada onda liberal-conservadora dentro do Brasil. Esse evento, entretanto, não é local, mas global.

No ano passado o susto e a preocupação da elite americana foi enorme com a vitória de Trump, assim como foi grande o baque das elites britânicas em relação a aprovação do Brexit. No Brasil o povo deu uma clara resposta nas urnas, nas eleições do ano passado, ao escorraçar os petistas de boa parte de seus cargos, além do apoio massivo ao impeachment de Dilma Rousseff. Casos como o de João Doria, eleito em primeiro turno e derrotando o petista Haddad com larga vantagem, botaram muita gente para pensar. O problema é que ainda não entenderam totalmente a situação ou se fazem de desentendidos.

O que aconteceu nos EUA, no Reino Unido e o que ocorre hoje no Brasil é uma reação, e uma reação tardia até, a uma clara campanha de ódio contra as pessoas comuns, contra o povo, contra o trabalhador honesto. Esquerdistas passaram décadas praticamente o ódio contra aqueles que pensam diferente, perseguiram gente inocente, destruíram carreiras e silenciaram muitas vozes por bastante tempo. A coisa chegou a um ponto no qual as pessoas não querem mais silenciar, elas querem falar, e o que elas falam não está agradando em nada aqueles que não gostam de ouvir.

As recentes polêmicas envolvendo casos como Queermuseu e MAM sustentam o fato inegável de que o povo está saturado dessa patifaria. As pessoas não aguentam mais essa perseguição aberta aos seus valores. No passado, muita gente se calaria, teria medo de opinar e de ser chamada e fascista por pensar diferente. Agora, não mais.

Os esquerdistas que antes perseguiam as pessoas comuns são, hoje, perseguidos por elas. Suas narrativas não colam mais. Suas mentiras não se sustentam. Lula não engana mais ninguém. As pessoas não querem mais ficar caladas diante da defesa imunda da pedofilia, elas não querem mais ter a sua religião ofendida e perseguida, não querem mais baixar a cabeça perante universitários e artistas folgados que trabalham pouco. Elas querem ter voz, e há quem dê voz a elas.

É por isso que figuras como Bolsonaro, apesar de tudo, crescem em apoio massivo da população. É por isso que João Doria brilha quando detona Lula nas redes sociais, ao mesmo tempo em que é criticado quando endossa algum discurso esquerdista como a questão do desarmamento.

Atualmente esta campanha de ódio das elites contra o povo se acirrou. Os “artistas” não estão gostando de ver gente criticando a Lei Rouanet, nem suas exposições imundas envolvendo crianças. Eles estão querendo entrar em uma queda de braço, e fazem isso com grande apoio da mídia mainstream. Quando uma Dona Regina surge no programa da Fátima Bernardes e diz algumas verdades na cara de todos, ninguém sabe o que fazer, pois estas pessoas não estão acostumadas a lidar com divergência, elas se acostumaram a viver em ambiente controlado, em bolhas nas quais ninguém ousaria bater de frente com elas.

O que aconteceu nas últimas semanas, com toda a imprensa querendo influenciar as pessoas sem sucesso nos casos MAM e Queermuseu, prova que essa era da intolerância pode até não ter acabado, mas está com seus dias contados. Ninguém mais quer ficar em silêncio diante da barbárie.

Anúncios

11 comentários sobre “Onda liberal-conservadora que preocupa elite “artística” é reação tardia a uma campanha de ódio declarada contra o povo

    1. Caro Otto, talvez você está questionando dona Regina sem ter visto o vídeo. Ela não fez critica alguma àquilo que você chama de arte, apenas lembrou que É CRIME listado no ECA o que aconteceu. E ainda com agravante por ter sido a criança exposta à nudez com incentivo da mãe. Veja o que quiser ver, mas não com o dinheiro dos meus impostos e não tocando em nossas crianças.
      #somostodosdonaregina

    2. Quem não sabe o que é arte é quem só produz o feio, o grotesco e a revolta. Não são artistas, são embusteiros, são agentes de desconstrução e emburrecimento que só desperdiçam dinheiro, material e tempo. Vocês não produzem arte, vocês não têm cultura.

    3. Vc é uma reedição do perfeito idiota útil. Foda-se o museu, ninguém precisa ser critíco para saber que uma criança não deve estar no mesmo ambiente que um homem pelado.

Deixe uma resposta