Enquanto uma criança de 4 anos é induzida a ato libidinoso em nome da “arte” em SP, Ministério Público Federal pede reabertura da exposição “Queermuseu” no RS

Ontem veio a tona a polêmica e indiscutivelmente abusiva exposição realizada pelo Museu de Arte Moderna. Na exposição, conforme já publicamos aqui, um homem aparece nu sendo acariciado por meninas (crianças) de baixa idade, isso tudo diante de diversas pessoas.

Estas meninas foram usadas para fins ideológicos e foram expostas a um tipo de constrangimento que dificilmente vão esquecer. Isso, é claro, sem mencionar a pedofilia. Não coincidentemente o caso remete a algo muito recente, que é a mostra Queermuseu, organizada com dinheiro público pelo Santander Cultural.

Diante disso resta saber o que o Ministério Público Federal tem na cabeça, já que conforme publicamos ontem (aqui) ele determinou que o Santander reabra a exposição. Aliás, mais do que isso, o procurador Fabiano de Moraes emitiu um parecer no qual deixa evidente que não sabe separar sua opinião esquerdista de uma decisão dentro dos parâmetros da lei, uma vez que a mostra do Santander viola a legislação ao incitar pedofilia e zoofilia.

Anúncios

Um comentário sobre “Enquanto uma criança de 4 anos é induzida a ato libidinoso em nome da “arte” em SP, Ministério Público Federal pede reabertura da exposição “Queermuseu” no RS

  1. Desgracadamente o autor ou autores deste tipo de perversao infelismente encontra apoio em uma sociedade podre.por isso estes mesmos canalhas naturalmente tiveram um passado duvidoso se aqui fosse um pais serio eles nem mais existiriam.

Deixe uma resposta