Delação de Palocci pode comprometer magnata farmacêutico dono da Globo de Santa Catarina

Há não muito tempo todos os holofotes que iluminavam denúncias de corrupção envolvendo empresários miravam no carioca Eike Batista, falido dono do império das empresas X e ex-candidato a homem mais rico do mundo. No ritmo frenético da Lava-Jato, os canhões miraram em seguida para Joesley Batista, marido da apresentadora Ticiane Villas-Bôas e maior produtor de carne do mundo.

Enquanto Joesley e Eike agora cumprem temporada na cadeia, outro empresário que igualmente viu seu império ganhar corpo durante os governos petistas e que manteve Antônio Palocci e José Dirceu em sua folha de pagamento durante um bom tempo pode ser a nova bola da vez.

Carlos Sanchez, novo dono da Globo de Santa Catarina e que já teve o nome mencionado em depoimento do doleiro Alberto Yousseff, pode estar muito perto de entrar na roda, especialmente com a delação do ex-Ministro e seu ex-funcionário Antônio Palocci prestes a ser homologada.

O empresário tem um longo histórico de polêmicas. Abaixo, listamos algumas das principais traquinagens nas quais ele se envolveu.

ScreenShot_20170915163435O perfil e trajetória de Carlos Sanchez, o poderoso novo dono da Globo em Santa Catarina, é muito semelhante ao de Joesley Batista.

QUASE R$ 8 MILHÕES PARA JOSÉ DIRCEU

Sanchez está envolto em polêmicas há bastante tempo. Quando veio à tona a vida nababesca que José Dirceu levava mesmo tendo sido cassado pela Câmara dos Deputados e condenado no mensalão, vivendo supostamente de “consultorias”, Sanchez, dono do laboratório farmacêutico EMS, apareceu como seu principal “cliente”. Apenas para Dirceu, o empresário pagou R$ 7,8 milhões. Não se sabe que tipo de expertise farmacêutica o ex-Ministro de Lula pode ter emprestado ao empresário.

Na época, o jornal O Globo tratou do tema:

https://oglobo.globo.com/brasil/laboratorio-sob-suspeita-pagou-78-milhoes-por-consultoria-do-ex-ministro-jose-dirceu-15901550

ScreenShot_20170915163504.png

SAÚDE? É PRA LUCRAR MUITO!

No mercado, Sanchez é acusado de utilizar métodos pouco ortodoxos para ter atingido e consolidado esta liderança. O empresário Leonardo Meirelles, da concorrente Labogen, também envolvido na Lava-Jato, acusou Sanchez de ser favorecido por um diretor do Ministério da Saúde em um negócio de R$ 134 milhões.

Outra acusação é de que Sanchez teria falsificado documentos para acelerar o registro de genérico do Sigmasporin, usado para diminuir o risco de rejeição a transplantes renais. Em ambos os casos, o empresário afirma ser vítima de armações de concorrentes querendo prejudicá-lo.

A denúncia de Meirelles:

http://www.cljornal.com.br/saude/delator-envolve-bilionario-da-saude-na-lava-jato/

A tentativa de Sanchez de se explicar, jurando que não falsificou nenhum documento, aparece em matéria de 2001 do jornal Correio Braziliense:

http://www.anvisa.gov.br/hotsite/genericos/noticias/2001/181201.htm

 

AO INVÉS DE ANTIBIÓTICOS, PÍLULAS DE FARINHA

Talvez, dados os efeitos que causou na vida de centenas de pessoas, a maior polêmica de Sanchez tenha sido a distribuição de supostas pílulas de farinha ao invés de anticoncepcional. Três lotes foram recolhidos e pelo menos 200 mulheres teriam tomado as pílulas de farinha. A matéria é do portal G1:

http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL175770-5605,00.html

Sanchez já teve outros medicamentos suspensos pela Anvisa após apresentarem problemas. O jornal Folha de São Paulo mostrou que antibióticos da EMS sendo recolhidos, também por baixa qualidade.

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2015/02/1585106-anvisa-suspende-dois-antibioticos-da-maior-farmaceutica-brasileira.shtml

ScreenShot_20170915163521Idalina da Silva Pinto Montari teve uma gravidez indesejada quando tinha 40 anos. A foto é de Daniel Santini do portal G1.

 

CRESCENDO NOS BRAÇOS DO GOVERNO FEDERAL

Não foi a primeira vez que Sanchez buscou a companhia de homens poderosos para acessar os corredores do poder. Em 2002, ainda durante o governo de FHC, ele contratou Jorge Negri, irmão do então Ministro da Saúde, Barjas Negri, para acessar os corredores do poder. Deu certo. Vários gabinetes importantes viram suas portas se abrirem facilmente para Sanchez.

Sua ascensão no mundo empresarial havia sido espetacular. Apenas dois anos depois dos genéricos começarem a ser fabricados no Brasil, Sanchez já era o líder do mercado, com 95 medicamentos sendo fabricados. A segunda colocada, Eurofarma, fabricava 62.

Mas o grande salto viria na era PT, com bênçãos de José Dirceu. Num esquema muito parecido com o utilizado pelos irmãos Batista para crescerem com a JBS, Carlos Sanchez levantou mais de R$ 270 milhões em empréstimos no BNDES. E virou praticamente o dono do setor de genéricos.

Muito antes do Jornalivre, o site O Antagonista já comparava a história de Carlos Sanchez com a dos irmãos Friboi. Confira: https://www.oantagonista.com/brasil/dirceu-generico/

A COMPRA DA RBS-SC: UM VEÍCULO PARA PROMOVER SEUS NEGÓCIOS?

Seu mais recente e igualmente polêmico negócio foi a aquisição dos ativos do grupo RBS em Santa Catarina. De brinde, Sanchez tornou-se o feliz proprietário da concessão de retransmissão da Rede Globo no estado. Chamado de “Hidra” por desafetos, por atuar em negócios tão diferentes entre si quanto o ramo farmacêutico, a compra de usinas eólicas da Odebrecht ou a aquisição de ativos do setor imobiliário, agora o ex-patrão de José Dirceu e Antônio Palocci também tem uma importante rede de veículos de comunicação para chamar de seu.

O modo como gere os negócios deixa claro que ele não vê fronteiras entre suas diversas atividades. Em nota publicada pelo jornalista Roberto Azevedo, da concorrente RIC-Record, informa-se que Sanchez estaria utilizando a gráfica do jornal Diário Catarinense para imprimir bulas dos remédios de sua empresa. Não se pode dizer que o empresário não saiba maximizar o potencial de cada uma de suas empresas.

https://carlostonet.wordpress.com/2016/03/07/maior-cliente-de-jose-dirceu-compra-a-rbs/

Mencionado no último depoimento de Alberto Yousseff como sendo homem do ex-ministro Antônio Palocci e com a delação do próprio Palocci prestes a sair, Carlos Sanchez pode estar prestes a se tornar o sucessor de Eike Batista e Joesley Batista como magnata bilionário da era petista a ter que prestar contas para o juiz Sérgio Moro e para a Operação Lava-Jato.

Anúncios

8 comentários sobre “Delação de Palocci pode comprometer magnata farmacêutico dono da Globo de Santa Catarina

  1. OPA! Roger Scar aprendeu a citar fontes. SQN, ele só faz isso quando é para atacar seus adversários, pois quando quer fabricar consenso, apenas concluí, a manada não desconfia mesmo, geral não sabe nem mesmo a diferença entre informação e opinião, tampouco checar as fontes, quando elas são citadas, imagine se elas soubessem que as boas práticas, ou seja, o Benchmarking do mercado editorial pede não só a checagem das fontes como a identificação da linha editorial e seu viés político e ideológico, para então definir se o que se possui credibilidade ou nao.

  2. Bom, e dia…. que comprometa a todos, porque não ….
    Vamos la, vamos, diga tudo que sabe de PODRE, pare de ficar a falar a respeito disto e daquilo, fale, indique e deixa que a PF – EXCELENTE TRABALHO – termine apresentando os resultados da sua falação.

  3. A reportagem, dá informação errada, quando afirma que as pílulas de farinha, foram produzidas pela EMS. Esse problema ocorreu com outro laboratório. (Caso Microvlar). Vocês precisam pesquisar mais, para não passar informações erradas.

    1. Idalina da Silva Pinto Mortari, 50 anos, ficou assustada quando soube que 200 mil mulheres podem ter utilizado anticoncepcionais ineficazes distribuídos nas rede pública de saúde de São Paulo. Na quinta-feira (8), o governo determinou que três lotes do anticoncepcional Contracep, da EMS-Sigma Pharma, fossem recolhidos após testes indicarem falhas no medicamento.

Deixe uma resposta