Após mudar de sexo, transexual é reconhecida legalmente como homem e perde direito a pensão

Existe um benefício das Forças Armadas concedido especialmente para as filhas – mas não para os filhos – de militares falecidos ou aposentados. A pensão tem um valor relativamente alto a depender do cargo ocupado pelo militar em questão.

Ocorreu, no entanto, que a filha de um militar que recebia esta pensão resolveu fazer mudança de sexo. Ela mudou também sua identidade, passando a ser legalmente reconhecida como homem. A pensão, que vinha da Marinha, foi cortada, uma vez que só é concedida às filhas do sexo feminino.

Quem julgou a causa foi o juiz federal Frederico Montedonio Rego, segundo O Globo.

 

Anúncios

90 comentários sobre “Após mudar de sexo, transexual é reconhecida legalmente como homem e perde direito a pensão

    1. 🤔 Existem coisas que nem a ciência explica… ela não tem Bililiu e é homem? Vai explicar isso para a sua avó, vc vai tomar um baita bofetão e ainda vai ouvir: Cria vergonha nessa cara…

    1. Procure se informar mais. Esta pensão não é dada gratuitamente. É opcional. O militar que quiser deixar uma pensão a filha ele tem que pagar do bolso dele um determinado valor que é descontado em folha. Antigamente não era assim. Já faz uns 13 ou 14 anos se não me engano que essa lei mudou.

  1. Credo, não dá pra ler esses comentários. E de chegar de tristeza diante de tanta intolerância… O que o povo tem a ver com qual gênero a pessoa tem??? Esse negócio de pensão só deveria ser dada a quem é incapaz de trabalhar pra provar seu sustento uma vez que o provedor morra. Não importa se homem ou mulher…

  2. Não apareceu nenhuma nota dele reclamando o corte de pensão. Não sei pq ficam rindo… Muito melhor poder ser quem vc realmente é, do q receber uma grana mensalmente, mas se olhar no espelho e n se identificar! Achei bem válida a troca, e nessa situação, provavelmente teria feito o mesmo!

    1. Na verdade ele reclamou sim do corte na pensão, e entrou com um processo contra a marinha, por isso na noticia a ultima frase diz “Quem julgou a causa foi o juiz federal Frederico Montedonio Rego”

    2. Reclamou sim, argumentou que visitava a ginecologista portanto, no interior era mulher ainda. Mas o juiz contra argumentou que ele não poderia por mais que o prejudicasse financeiramente, atrapalhar a mudança dele.

    3. Ele entrou na Justiça para reverter a perda da pensão alegando inclusive que é parcialmente uma mulher por ser tratado também por um ginecologista. Ou seja, independente da sexualidade é um brasileiro típico, que quando lhe convém quer ser tratado de um jeito e quando não lhe convém quer ser tratado de outro.

  3. Em minha opinião, toda ação gera uma reação. Quando escolhemos traçar um caminha, tomar uma decisão, temos que sempre levar em conta as consequências disso. E nesse caso não foi diferente.
    Se queremos ter direitos, precisamos estar prontos para os deveres. Quem sabe se para Ela/Ele, é mais importante a transformação do que a pensão do finado pai?

    1. Com certeza “ela” já sabia que isso iria acontecer e sua opção foi por tornar-se homem mesmo assim. Se esse era o seu principal objetivo qual o problema? Demonstrou que não é apegada a nada e que apenas que ser feliz. Tornou-se um rapaz e vai trabalhar normalmente e prover o seu sustento. Isso mesmo meu querido haja do seu jeito e não como as pessoas querem…

Deixe uma resposta