Veja ataca MBL e brasileiros e é escrachada nos comentários

O site Veja publicou hoje, terça-feira, 12, uma matéria tendenciosa em ataque a todos os brasileiros que se indignaram com a exposição Queermuseu, realizada pelo Santander Cultural com verba pública. 

Vamos analisar. “Veja” só:

Ao encerrar a mostra Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, em Porto Alegre (RS), um mês antes do previsto, o Santander Cultural disse ter entendido que “algumas das obras da exposição desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas”.

Ora, o Santander entendeu isso porque, de fato, houve um desrespeito aos valores da sociedade brasileira.

 A decisão, que divide artistas e conservadores, foi tomada com base em manifestações contrárias às 270 obras de 85 artistas, entre os quais os clássicos Alfredo Volpi e Cândido Portinari, além dos contemporâneos Adriana Varejão e Milton Kurtz, sob a curadoria de Gaudêncio Fidelis.

As manifestações foram contrárias a algumas peças expostas, independente de quem fossem os artistas, pois a mostra era aberta ao público e tinha, como objetivo de projeto – publicado no site do Ministério da Cultura -, atingir o público escolar, utilizando, inclusive, material educativo. Material educativo para professores e alunos, feitos com o dinheiro do contribuinte. E entende-se, pela maioria da sociedade, que obras que mostram crimes tipificados em lei, como zoofilia, e que incitando a pedofilia, prática rejeitada e repudiada pela sociedade, não são qualificados para serem divulgados com dinheiro do pagador de impostos, dona Veja.

Depois, a matéria segue tentando comparar o boicote a essas obras, das quais o público sequer se preocupou em saber quem eram os artistas – não era uma preocupação relevante – a história dos artistas que se dedicam, ao longo da vida, a quebrarem tabus com suas obras:

Em toda a história da arte, porém, não faltam trabalhos e artistas que exploram o sexual, o sagrado e profano, quebrando ou se dedicando a escancarar tabus construídos pela sociedade.

Um dos artistas listado pela Veja, como um “quebrador de tabu” é  Balthus, um “artista plástico francês foi diversas vezes criticado por pedofilia, já que retratava muitas adolescentes nuas. Esta é a obra mais polêmica do francês, que chegou a ter uma exposição de polaroides barrada na Alemanha, em 2014.”

Então a Veja entende que pedofilia e zoofilia são “tabus” a serem quebrados? Existe uma chance, muito grande, da maioria dos brasileiros discordarem dessa necessidade e preferirem deixar esses tabus do jeito que estão.

E finalizam com algumas obras de cunho erótico dizendo que elas causariam espanto aos seguidores do Movimento Brasil Livre e a parcela da sociedade que se indignou com a exposição Queer.

Para a tristeza da redação do site, a matéria foi um tiro no pé e a Veja foi malhada em comentários:

7241579c-34c8-45af-a6cd-bfefd1fc1bab2304a95c-b91e-45a5-98b9-0ee0e10e62bb7241579c-34c8-45af-a6cd-bfefd1fc1bab

Fonte: http://veja.abril.com.br/entretenimento/sete-obras-de-arte-que-poderiam-chocar-o-mbl/

Anúncios

29 comentários sobre “Veja ataca MBL e brasileiros e é escrachada nos comentários

  1. Sou assinante a 25 anos… triste com as últimas capas e páginas amarelas de veja… Roberto Civita, desde sua morte a revista perdeu dua essência, foi poupado de ver a menina dos olhos da imprensa brasileira, virar folhetim de botequim. Os últimas matérias só confirmam minha decisão de encerrar a assinatura.

  2. Veja quem te viu e quem te vê, os petralhas e esquerdopatas falavam horrores desta revista, o petralha Vagner Moura chegou a fazer vídeo falando mal da veja e agora a Veja se vendeu e virou revista esquerdizóide. Totalmente sem credibilidade, totalmente vendida.

  3. Estava mesmo pensando em cancelar minha assinatura,obrigada veja por essa reportagem tacanha ,pois assim me ajudou a enxergar melhor o respeito que tem pela sociedade de bem

  4. Atualizando…..comentários da veja…..João José Caldeira Ribeiro 12 set 2017 – 22h29
    Na semana passada cancelei a renovação automática desta revista que assino há quase 10 anos. Como tive que telefonar (não há opção para cancelamento online, apenas assinatura – que novidade), fui atendido por uma menina muito simpática que tentou de tudo para eu não prosseguir com esse cancelamento. A certa altura, ela pergunta o que eu queria para continuar com a assinatura, ao que respondi: “Não assinaria nem que fosse de graça”, o que foi um balde de água fria para ela.
    Gostava de ter o contato dela para lhe passar este link e mostrar por que cancelei a assinatura. Desde que o Petry assumiu a direção, tem sido assim: parece a Carta Capital.
    Boa sorte, VEJA, na vossa empreitada progressista. Só não contem comigo.

    Thiago Costa 12 set 2017 – 23h27
    E vocês querem o que com essa matéria? Mostrar que estão ainda mais do lado do lixo da esquerda e perder ainda mais assinantes? Meus pais já não assinam mais essa porcaria de revista e qualquer um que desfaça a assinatura de mostra amigo do país.

    Luiz Alberto Gomes 12 set 2017 – 23h28
    Devido a matérias tendenciosas como esta é que cancelei a minha assinatura de Veja, depois de mais de 30 anos como assinante. Mas, o que se pode esperar de uma revista que cede um espaço que antigamente era nobre, como as Páginas Amarelas, para um indivíduo como o Jean Willlys???????????

  5. Atualizando comentários….veja João José Caldeira Ribeiro 12 set 2017 – 22h29
    Na semana passada cancelei a renovação automática desta revista que assino há quase 10 anos. Como tive que telefonar (não há opção para cancelamento online, apenas assinatura – que novidade), fui atendido por uma menina muito simpática que tentou de tudo para eu não prosseguir com esse cancelamento. A certa altura, ela pergunta o que eu queria para continuar com a assinatura, ao que respondi: “Não assinaria nem que fosse de graça”, o que foi um balde de água fria para ela.
    Gostava de ter o contato dela para lhe passar este link e mostrar por que cancelei a assinatura. Desde que o Petry assumiu a direção, tem sido assim: parece a Carta Capital.
    Boa sorte, VEJA, na vossa empreitada progressista. Só não contem comigo.

    Thiago Costa 12 set 2017 – 23h27
    E vocês querem o que com essa matéria? Mostrar que estão ainda mais do lado do lixo da esquerda e perder ainda mais assinantes? Meus pais já não assinam mais essa porcaria de revista e qualquer um que desfaça a assinatura de mostra amigo do país.

    Luiz Alberto Gomes 12 set 2017 – 23h28
    Devido a matérias tendenciosas como esta é que cancelei a minha assinatura de Veja, depois de mais de 30 anos como assinante. Mas, o que se pode esperar de uma revista que cede um espaço que antigamente era nobre, como as Páginas Amarelas, para um indivíduo como o Jean Willlys???????????

  6. Onde já se viu pedofilia e zoofilia é tabu a ser quebrado? Então estrupo, assaltado, sequestro são tabus a serem quebrados também? Isso é crime e tem que ser tratado como tal.

  7. Já fui assinante da Veja e cancelei minha assinatura exatamente por ver um jornalismo tendencioso ser desenvolvido por ela. Sempre à esquerda, o que faz dela uma formadora de opinião dos grupos de minoria dedicados à baderna, à desordem, ao cáos e ao quanto pior melhor. Como foi o caso dessa malfadada exposição de lixo que alguns preferiram chamar de arte.

  8. Mídia podre e esquerdista, a favor da imoralidade e da banalização de práticas abomináveis como pedofilia e zoofilia. Esse povo quer transofrmar nosso país num poço de putara a céu aberto. Querem que seja pertmitido fazer todo tipo de imundíceis no meio da rua! é isso que eles querem! Mas o povo brasileiro não vai pertmitir que isto ocorra! É bom “JAIR” se acostumando. Em prol da família, da moral e dos bons costumes, #BOLSONARO2018!

  9. Veja alinhando se ao relativismo e anestesismo moral esquerdista só terá um destino. Um cantinho na web, perdendo para Piauí, q tem matérias de qualidade até, ou vivendo de verbas públicas como vivia o barril 2+4+7… afff….

    1. A questão não é essa, sua desinformada! Ou sua apologista de crimes! A questão é que estão obrigando crianças do ensino fundamental a ver e ouvir elogios ao crimes de pedofilia, zoofilia, escárnio a fé religiosa dos brasileiros e, por cima de tudo, financiado com dinheiro público, isto é, dos ofendidos. E o povo deve calar-se? Só uma comunista safada – desculpe da redundância – pode pensar assim.

    2. Sra. Marci, como a Sra. poe ler abaixo, não era só aberta ao publico como também divulgada em escolas de ensino médio e fundamental, e o pior era patrocinada com o dinheiro suado da população…Ah dona marci…vá cata
      r coquinhos…

      tinha, como objetivo de projeto – publicado no site do Ministério da Cultura -, atingir o público escolar, utilizando, inclusive, material educativo. Material educativo para professores e alunos, feitos com o dinheiro do contribuinte.

  10. Todos esses que defendem as pinturas que ofendem a moral, que level seus filhos, e netos e crianças a essa exposição e explique a eles o que significa.

  11. Marci desde que nao seja direcionado ao publico infantil e nao seja custeado com dinheiro publico sem problema ah e q se tenha arte nao crimes. Zoofilia e pedofilia é crime!

Deixe uma resposta