Marcelo Rubens Paiva critica MBL e é destroçado em comentários nas redes sociais

O escritor Marcelo Rubens Paiva reservou seu espaço no jornal Estadão para publicar ataques ao Movimento Brasil Livre (MBL) após o grupo se posicionar contrário a mostra profona ‘Museu Queer’, que promovia pedofilia, zoofilia e vilipêndio a símbolos sagrados.

Rubens paiva escreveu: ” A informação de que, em Porto Alegre, o Santander Cultural encerrou, hoje, a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, por conta de um movimento chamado Movimento Brasil Livre (MBL), é grave. Muito grave.” E continuou: ” O MBL, grupo identificado com os ideais da direita, acusou de a exposição promover blasfêmia e pedofilia. 2,3 milhões seguem sua página do Facebook , como o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão. Fez campanha pesada nas redes sociais.”

O escritor citou, inclusive, matéria publicada por este Jornalivre, ainda que com a grafia errada: “Para o site Jornal Livre (sic), após pressão popular, Santander volta atrás e encerra bizarra mostra.” Veja publicação no Facebook do Estadão:

O absurdo dos ataques desmerecidos ao MBL causou reação imediata nas redes sociais, entre os leitores e seguidores do Estadão. Em sua grande maioria, os comentários foram críticos ao escritor e favoráveis à postura do movimento. Veja:

coment 1

coment 2

coment 3

coment 4

coment 5

Anúncios

6 comentários sobre “Marcelo Rubens Paiva critica MBL e é destroçado em comentários nas redes sociais

  1. O MBL apenas alertou. A adesão popular macissa contra esse tipo afronta aos brasileiros é que fez toda a diferença.
    Não queremos esse tipo de coisa é nada vai mudar nossas ideias e tradição.

  2. Nessa era onde tudo fica às claras mais facilmente, o alerta dado pelo MBL ao povo foi fundamental para termos noção da falta de senso da esquerda, da falta de moral e da canalhice dos mesmos.
    Não é preciso explicar, somente expor. Por si só já é ridícula e ofensiva essa mostra, sem contar com os agravantes do gasto de dinheiro público e ao direcionamento ao público infantil.
    Nada justifica qualquer tentativa de defesa desse ato criminoso.

Deixe uma resposta