Exposição do Santander é a pior forma possível de representar a comunidade LGBT

É fato que muitas pessoas têm preconceito com os homossexuais ou transexuais. O público LGBT é alvo de críticas constantes. Contudo, nos dias de hoje e especialmente no Brasil essa visão tem mudado. O preconceito, que ainda existe, é muito menor hoje do que já foi no passado.

Ocorre, porém, que casos como este do banco Santander e da mostra “Queermuseu” servem para justamente denegrir a imagem deste grupo de pessoas, dessa ‘minoria’. É o tipo de cena que não ajuda em nada a eliminar o preconceito e, pior, serve para estimulá-lo.

Se já existem pessoas mal informadas que confundem a homossexualidade com algum tipo de perversão, e se há até mesmo aqueles que acham que homossexualidade entre adultos tem alguma coisa a ver com pedofilia, o trabalho da “Queermuseu” serve justamente para sustentar esse estereótipo negativo da comunidade. É um total desserviço à causa que dizem promover.

Se querem conquistar o respeito pela diversidade é fato notório que não o conseguirão por este caminho. Pelo contrário, casos como este servem para dividir, para segregar ainda mais, nunca para unir. Além disso, a “teoria queer” nem mesmo é uma teoria séria, é muito mais uma ideologia, e é exatamente por isso que chamamos de ideologia de gênero, um termo que os ultra esquerdistas não querem aceitar.

A mostra promove intolerância religiosa e tem uma postura intransigente. É o típico trabalho sujo feito para denegrir ainda mais os já marginalizados pela sociedade. Parece até uma coisa feita com o objetivo real de segregar, bem ao estilo dividir para conquistar.

Anúncios

3 comentários sobre “Exposição do Santander é a pior forma possível de representar a comunidade LGBT

  1. Que história de falar de prejuízo a comunidade LGBT se eles mesmos, como grupo coletivo, não condenam essa monstruosidade (falar de gays individuais que condenaram não adianta). O fato é que a propaganda de normalização dos gays sempre escondem os traumas e falhas da comunidade LGBT(como estrupo e vitimas de pedofilia/pederastia bem como algozes, famílias totalmente desestruturadas, promiscuidade excessiva e epidemias de DST) para poder dizer que ser gay é genético e não há nada que se possa fazer para evitar.

  2. Desde quando promover PARAFILIAS é defender a causa LGBT? Isso mostra o tamanho da ignorancia, ou da má-fé. Ainda mais usando dinheiro do contribuinte…. mentindo sobre o publico eo conteudo apresentado. O Governo deveria exigir o dinheiro de volta.

  3. este seu texto foi bem mais sensato, Roger. mas cabe a pergunta: como representar a comunidade LGBT? de que forma podemos promover a inserção social dessas pessoas se não podem se expressar, aparecer, exercer sua cidadania?

Deixe uma resposta