VEXAME: Depois de dizer que processaria quem o chamasse de criminoso, Joesley diz: “Descobri que eu era um criminoso”

De acordo com uma matéria publicada pela Veja, Joesley Batista disse ter “descoberto” que era um criminoso. Sim, ele “descobriu” isso há pouco tempo, aparentemente. Antes, supõe-se, o sujeito agia na maior inocência, sem consequência de seus atos…

Claro que não. Contudo, vamos rever alguns trechos da matéria, que foi por assim dizer uma entrevista – agora Joesley é popstar – e avaliar o conteúdo.

Joesley Batista ainda não tem coragem de sair de casa. Quatro meses depois de ter acusado 1 829 candidatos eleitos (incluindo um presidente e uma ex-presidente da República) de receber propina de sua empresa, a JBS, ele diz não estar pronto para fazer o “teste da rua”. Acha que, hoje, sua imagem é a de alguém que cometeu uma série de crimes e não foi punido.

Não se trata bem de uma “imagem”, porque isso dá a impressão de que tudo é questão de interpretação. A verdade é exatamente esta: Joesley é um criminoso em série que confessou seus crimes e não foi punido. Não existe outra verdade neste caso. Mas, continuemos…

O empresário diz esperar que suas informações ajudem a desmontar novos esquemas de corrupção. “Na hora em que os nossos anexos começarem a revelar outras organizações criminosas, aí talvez a sociedade vá olhar e dizer: ‘Pô, o Joesley teve a imunidade, mas olha como ele ajudou a desbaratar a corrupção’.”

Essa parte é um tanto irônica, porque na realidade a única utilidade prática que a delação de Joesley teve, até o momento, foi a sua imunidade e a de seu irmão. Temer não foi punido, nem Aécio Neves e menos ainda Lula e Dilma. Entre aqueles a quem ele delatou, só os peixes pequenos caíram, mas os tubarões continuam a solta. Já a sua imunidade, apesar de tudo, está garantida.

“Esse Temer que você vê na televisão é falso. O Temer verdadeiro é o que eu gravei. Aquele Temer que fala sem cerimônia”, afirma. Segundo o empresário, o presidente “sempre foi muito direto, ele pedia dinheiro mesmo.”

Essa é a parte que realmente interessa aqui.

Entenda que o Joesley de quem estamos falando, o Joesley de verdade – que também é diferente deste que aparece na entrevista – é um empresário que enriqueceu bilhões através de verbas públicas alcançadas em sua maior parte nos governos de Lula e Dilma, com quem negociou acordos milionários diversas vezes. No entanto, contra Lula e Dilma Joesley capengou nas provas, enquanto para entregar Temer, em um acordo feito com um PGR petista como Janot, o empresário foi muito eficiente, chegou a gravar o presidente.

Agora o que tem Joesley a dizer sobre os antecessores – e também aliados – de Michel Temer? Lula e Dilma não foram os responsáveis por colocarem Temer no Palácio do Planalto? Joesley não negociou por muito mais tempo com os dois petistas? O Lula e a Dilma que vemos na televisão também não são os verdadeiros?

A Veja perguntou a Joesley o que mudou em sua vida após a delação, e eis sua resposta:

Ninguém sai de um processo desses como entrou. Esse negócio de virar colaborador da Justiça é muito novo para todo mundo. Um delator não “faz” uma delação simplesmente, ele vira uma chave. Muda sua forma de pensar, de agir. Aqueles amigos que você tinha já não servem mais. Se você mudou realmente, você muda de grupo e passa a enxergar as coisas sob outro ângulo.

O free boy está a todo custo tentando passar uma imagem de alguém que mudou, mas convenhamos… Quem realmente acredita nessa história? O acordo de colaboração feito por Joesley e Rodrigo Janot é o mais vantajoso do mundo. Para o PGR o objetivo era atacar diretamente os inimigos do PT, para o empresário era buscar a imunidade. Ambos conseguiram exatamente o que queriam, portanto não houve qualquer redenção aí.

Quem em sã consciência negaria a possibilidade de sair rico e impune após mais de uma década de crimes?

A verdade é que não há mistério algum nessa história. A JBS se formou e cresceu às custas de dinheiro público, de propina, de acordos vantajosos. Quantos empresários de menor porte foram prejudicados? Quantas empresas tiveram que fechar suas portas por não poderem competir com a gigante da carne, alicerçada por sucessivos governos corruptos? Quantos cidadãos tiveram suas carteiras roubadas para sustentar o vício desta relação promíscua entre uma empresa e o Estado?

Joesley não era um criminoso. Ele ainda é! E continuará sendo até o dia em que pagar por seus crimes.

Anúncios

Um comentário sobre “VEXAME: Depois de dizer que processaria quem o chamasse de criminoso, Joesley diz: “Descobri que eu era um criminoso”

  1. Mais um “Momento Eu era, mas não sabia”, patrocinado pela Friboi e pela Frivaca.
    – Joesley Bandido: “Eu era um criminoso que ganhou bilhões de dólares do BNDES, enganador de rancheiros e cowboys norte-americanos para aumentar meu império das carnes e gravador de conversas clandestinas criminosas a serviço do Janô, mas não sabia.”
    – Dilma Rocambole: “Eu era incompetenta, arroganta, ignoranta, farsanta, despreparada, fingida, golpista, totalitária e poste-serviçal de um machista misógino patriarcal homofóbico preconceituoso bilionário, mas não sabia.”
    – Marina Silva: “Eu era lulista, bolivariana, protetora da Amazônia e protegida por ONGs manietadas (WWF, do Príncipe Philip) e por celebridades oportunistas que moram no exterior, criadora de um partido com o único propósito de chegar à Presidência da República e transformar o Brasil no Império Ecomarinista Judiciário de Mil Anos, mas não sabia.”
    – Janô: “Eu era escritor de ficção política, colecionador de DVDs com conversas de políticos-alvos, anistiador de criminosos bilionários, defensor de agendas esquerdistas e femininazistas, enflechador de políticos do PMDB e do PSDB com o objetivo de chegar ao Governo do Estado de Minas Gerais, difamador do ministro Gilmar Mendes para poder tomar o lugar dele no STF e machista sabotador da futura chefe Raquel Dodge, mas não sabia.”
    – Lulão: “Eu sou o Dedo de Deus e o Dono do Brasil e sabia.”

Deixe uma resposta