Assediador preso em São Paulo já tinha 15 passagens pela polícia

O ajudante de serviços gerais que foi solto na quinta-feira, após ser detido por ejacular em uma jovem em um ônibus na Avenida Paulista, em São Paulo, tem mais quinze passagens pela polícia desde 2009. O modo de agir é sempre o mesmo: no transporte público, ele mostra o pênis e, eventualmente, passa na vítima.

O caso desta semana foi o 16º para a ficha policial de Diego Ferreira de Novais, de 27 anos. O episódio foi enquadrado como estupro em flagrante pela polícia, mas, na audiência de custódia, o juiz mudou a tipificação do crime para ato obsceno e mandou soltar Novais.

“Entendo que não houve o constrangimento, tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco do ônibus, quando foi surpreendida pela ejaculação”, alegou o juiz na sentença.

O primeiro assédio foi registrado em 2009, na delegacia da Lapa (Zona Oeste de São Paulo). Só neste ano, foram três casos na 78ª Delegacia de Polícia, nos Jardins. Novais chegou a ser preso por flagrante de estupro em 2013 e 2016, mas foi solto depois. Os crimes acabaram enquadrados como ato obsceno.

Novais foi detido pela polícia após o motorista seguir a recomendação. Outro caso de assédio ocorrido na Avenida Paulista, na quarta-feira, terminou com o suspeito detido após o condutor do ônibus cumprir essa mesma orientação. Nessa segunda ocorrência, um homem foi levado sob custódia por ter tocado nos seios de uma passageira.

Anúncios

Deixe uma resposta