Após convencer Lemann a ajudar projeto, movimento Acredito tenta esconder vínculo com PSOL

O movimento “Acredito” não esconde que pretende ser um “MBL Progressista”, como se isso fosse possível. Para se comparar ao Movimento Brasil Livre eles precisam primeiramente fazer algo prático, que tenha impacto real na política. Postar vídeos de “manifestos” pelo Facebook não vale.

A principal representante do novo movimento da esquerda “limpinha” é Tábata Amaral de Pontes, uma jovem de 23 anos que se formou em Harvard e diz que pretende ser presidente do Brasil. Pouco ambiciosa a garota. Já podemos ter certeza de algo: ela quer ter poder, almejando “apenas” o cargo mais alto do país.

O discurso de Tábata e de seu movimento é o mesmo da extrema esquerda: inclusão, combate à desigualdade, combate à pobreza, enfim, todas generalizações socialistas usadas pelos políticos terroristas que defendem ditaduras mundo afora. Ela só não diz como, exatamente, pretende “combater” esses problemas. Seria distribuindo flores brancas ou abraços gratuitos pelas ruas?

Constantino escreveu em uma matéria sobre o Acredito:

É a Rede de Marina Silva com pitadas frescas de juventude estudiosa. É a “marcha” de Emmanuel Macron, a esquerda “limpinha” que esconde a carranca feia do socialismo atrás da cara de bom moço. Se os bilionários por trás da iniciativa financiam o troço inconscientes da ameaça ideológica, não sei dizer. Pode ser ignorância e ingenuidade, pode ser estratégia “globalista” maquiavélica. Pode ser uma mistura também.

A foto com o socialista Marcelo Freixo, do PSOL, partido que defende oficialmente a ditadura de Maduro na Venezuela, está entre as fotos que Tábata Amaral de Pontes mantém em sua página do Facebook, e a garota ostenta a tietagem com orgulho. E com muito orgulho ela ostenta outro troféu, uma foto com o esquerdista FHC, que deve ser o máximo da “direita” tolerada pela turma:

Não se engane: é um movimento que só tem esquerdista e que defende descriminalização de drogas, desarmamento da população civil e todo o pacote do globalismo que você está cansado de conhecer. É a esquerda Alessandro Molon que a Globo adoraria emplacar se o eleitor fosse mais obediente.

A Globo não só adoraria emplacar como irá, de fato, ajudar nessa missão.

Em pouco tempo, Tábata já tem o apoio da emissora. Concedeu entrevista ao programa de Bial e participou do Criança Esperança. O tratamento privilegiado ao Acredito em comparação aos ataques feito pela mídia ao MBL colocam o movimento criado por Tábata sob imediata suspeita.

Em seu Facebook, Tábata ostenta alguns “troféus”, como fotos com Marcelo Freixo e com artistas de extrema esquerda. Se ela será presidente no futuro não sabemos, mas de algo temos certeza: Tábata estará na programação global na tentativa desesperada de enfiá-la goela abaixo do público.

Outro político paparicado pelo Acredito é o petista Fernando Haddad, ex prefeito de São Paulo que não conseguiu se reeleger após quatro anos desastrosos de administração. Se ele e Freixo são os exemplos a seguir para a garota, só podemos concluir uma coisa: o ensino de Harvard não deve ser dos melhores, como dizem.

Anúncios

3 comentários sobre “Após convencer Lemann a ajudar projeto, movimento Acredito tenta esconder vínculo com PSOL

Deixe uma resposta