Ministra dos Direitos Humanos se enrola ao tentar negar projeto para mudança de sexo até em crianças

A Ministra Luislinda Valois, dos Direitos Humanos, reclamou ter sido vítima de “notícias falsas” sobre projeto que prevê mudança de sexo até em crianças. Ela alega que “deturpar o conteúdo dos projetos e a palavra das autoridades é a pior maneira de fazer política”.

O único problema é que nada foi deturpado e ela própria se enrolou toda em sua explicação. Vamos por partes…

Luislinda explicou que, em apoio à pauta dos movimentos LGBT, pediu “celeridade no debate” dos projetos. “Ninguém em sã consciência apoia cirurgias indiscriminadas em crianças”, disse. A questão é que ela não foi, em momento algum, acusada disso. Os textos afirmaram, corretamente, que ela defende um projeto que prevê mudança de sexo até mesmo em crianças. A palavra “indiscriminadamente” simplesmente não foi usada.

Segundo matéria da Istoé, a mesma matéria que publicou a nota de Luislinda Valois, a ministra atendeu a pedido de entidades do setor e pediu ao Legislativo urgência na votação de propostas. O pacote incluía o projeto de lei 5.002, de 2013, de autoria do deputado Jean Wyllys, do PSOL do Rio.

Essa PL estabelece que menores de 18 anos podem buscar a Defensoria Pública para solicitar, através de um processo judicial, alterações no nome e prenome (artigo 5º) e intervenções no corpo, cirúrgicas ou por tratamentos hormonais (artigo 8º), mesmo sem o consentimento dos pais.

Se Luislinda defende esta PL, então ela defende que crianças façam cirurgia de mudança de sexo ainda que a família não aceite. A parte irônica é que tanto a ministra quanto a Istoé se enrolam ao negarem que o projeto fale sobre mudança de sexo, sendo que na realidade é exatamente disso que se trata.

Anúncios

3 comentários sobre “Ministra dos Direitos Humanos se enrola ao tentar negar projeto para mudança de sexo até em crianças

  1. Mudança no organismo nunca trará bons resultados aos interessados. Ísto é ferir formalmente a criação. Uma vez sabedores que órgãos diferentes no seu ou teu corpo, no futuro o arrependimento será como clausula Judicial ao laudo final. Será irrevogável. Fere a saúde e o princípio. Sejam o que quiserem sem mexer com o organismo. A Lei de Deus é uma só. Homem nasce Homem e Mulher nasce Mulher.

Deixe uma resposta