Ativistas do Parque Augusta criticam proposta da Doria por não conter “atividades de cura psíquica e corpórea”

Informa o Estadão:

Ativistas do Parque Augusta questionaram a proposta da Prefeitura de São Paulo de inaugurar o espaço já no ano que vem a partir de um pré-projeto divulgado na última semana. Para o Movimento Parque Augusta, o atual projeto não contempla os desejos dos ativistas e dos moradores do entorno, além de não considerar as diretrizes comunitárias discutidas em assembleias públicas do Movimento ao longo dos últimos 3 anos. 

O grupo, em nota, disse o seguinte:

Mais do que um projeto pronto executado a toque de caixa, o Movimento Parque Augusta exige respeito ao processo comunitário onde é necessário um ritmo próprio, para que o projeto seja legitimado como uma criação coletiva com participação direta da população.

Agora, vejamos as exigências feitas pelo movimento…

Diretrizes de Projeto Comunitário do Movimento Parque Augusta:

1 – Canteiro Vivo: processo de projeto-construção dentro do parque com a participação direta de ativistas e moradores;

2 – Inclusão social radical;

3 – Coleta de desejos e necessidades dos ativistas e moradores;

4 – Captação de água, autonomia hídrica e paisagismo água;

5 – Autonomia energética, painéis fotovoltaicos;

6 – Banheiros públicos com chuveiros para moradores de rua;

7 – Estação de Reciclagem de Lixo

8 – Generosidade: depósito para doação de roupas e livros para moradores de rua

9 – Cozinha Comunitária

10 – Casinha da floresta: espaço para atividades autônomas e exposição da história da luta

11 – Geodésica para assembleias semanais

12 – Atividades de cura psíquica e corpórea

Alguns itens da lista são fáceis de compreender, outros estão ali com a única finalidade de fazer a prefeitura perder tempo em uma queda de braço desnecessária.

Anúncios

3 comentários sobre “Ativistas do Parque Augusta criticam proposta da Doria por não conter “atividades de cura psíquica e corpórea”

  1. Os esquerdistas mauricinhos do “entorno” da Augusta esqueceram outras exigências importantíssimas:
    – A criação de um Parque Harry Potter, como aquele que existe nos Estados Unidos.
    A inauguração deverá contar com a participação do Daniel Radcliffe e da J.K. Rowling, do contrário haverá manifestação na Avenida Paulista.
    – Monitores de plasma de 52 polegadas, para ver as séries da Netflix e os vídeos do Lulão no Facebook.
    – Espaço Pet (não confundir com PET), com água mineral francesa Don Perignon e caviar russo para os amiguinhos peludos, porque cachorrinho também é “gente como a gente da Augusta”.
    – Espaço Weed, para os seguidores do deus THC (Tetraidrocanabinol) e do Santo Daime.
    – Espaço Supercar, para aqueles que querem fazer um test-drive em Ferrari, Lamborghini e Porsche.
    – Heliporto que permita o pouso do helicóptero Agusta Westland EH 101, para levar os manos para um rolê pela cidade.
    – Extraterritorialidade do Estado Vaticano Augusta, porque os moradores do “entorno” são seres santificados e merecem tratamento diferenciado do restante da plebe que mora em São Paulo.
    Quem ousar invadir esse espaço autônomo da cidade terá de apresentar o Passaporte da Alegria da Augusta.
    Quem for eleitor do PT, PCdoB, PSOL, PSTU, PCO e Rede Marinista pode entrar livremente no Estado da Augusta.

Deixe uma resposta