Treta na extrema-esquerda: Professor da PUC acusa Jean Wyllys de “fazer coro com os conservadores” sobre a Venezuela

É engraçado e também muito trágico perceber como a extrema-esquerda reage diante de seus “dissidentes”. Até ontem Jean Wyllys era um herói da causa LGBT, mas bastou decidir pular fora do barco furado que é o apoio da esquerda a Nicolás Maduro que ele já começou a sofrer pressão de antigos – e de atuais – aliados.

Eduardo Maretti, do site Pragmatismo Político e adepto do chavismo, escreveu o seguinte:

Um dos principais argumentos utilizados contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para acusá-lo de “ditador” e sobre seu papel na grave crise do país, é o número de mortos, cerca de 120 desde o início dos protestos contra o governo chavista há quatro meses. Os grupos midiáticos e a oposição no país aproveitam a eleição de domingo (30), segundo eles “ilegítima”, que elegeu uma nova Assembleia Nacional Constituinte com 545 membros, para tentar fechar o cerco.

Perceba que o “jornalista” claramente defende o regime e as atrocidades cometidas por Maduro.

Sobre o deputado do PSOL, Maretti disse:

O deputado federal Jean Wylllys (Psol-RJ) está entre os representantes da esquerda brasileira que se opõem a Maduro. Em postagem publicada ontem em seu Facebook, intitulada “A esquerda não pode apoiar Maduro”, o parlamentar tece duras críticas ao presidente venezuelano. Segundo ele, “a ditadura de Nicolás Maduro, cada dia mais descontrolada e sem limites, reprime as manifestações com uma violência inusitada, cerceia as liberdades públicas e avança sobre os outros poderes”.

Agora é que vem a parte interessante, que é quando Maretti cita o professor da PUC, Pedro Fassoni:

Na opinião de Pedro Fassoni, Wyllys expressa uma visão de “setores minoritários” da esquerda, inclusive dentro do Psol. “A executiva nacional do Psol não fez declaração nenhuma nesse tom. Na mesma postagem, Jean Wyllys deixa claro que é uma posição pessoal e não fala em nome do partido”, diz Fassoni.

E mais:

“Jean Wyllys tem sido criticado pela esquerda principalmente com relação à sua posição nas relações internacionais. Ele se manifestou a favor do Estado terrorista de Israel e não fez nenhuma menção ao genocídio praticado contra a população palestina. Ao mesmo temo, ignora os crimes praticados pela oposição venezuelana.”

É curioso ver isso tudo em tão pouco tempo. As narrativas entraram em colapso, tudo isso porque há pressão até mesmo de movimentos internacionais de extrema-esquerda contra a repressão praticada por Maduro. Por incrível que pareça, Jean Wyllys está sendo atacado pelos seus “amigos” porque tomou a postura correta, ainda que pelos motivos mais suspeitos possíveis.*

*Todo mundo sabe que Jean Wyllys está apenas tirando o corpo fora para preservar uma boa imagem “humanitária”. Sabemos que ele não dá a mínima para os mortos, se se importasse com isso já teria pulado desse barco há muito mais tempo.

Anúncios

6 comentários sobre “Treta na extrema-esquerda: Professor da PUC acusa Jean Wyllys de “fazer coro com os conservadores” sobre a Venezuela

  1. ESTÁ ESQUERDA BOLIVARIANA, É PATÉTICA, SÃO EXTRAMENTE DESONESTOS, LADRÕES,A MENTIROSOS, ASSASSINOS, ATRASADOS, E INCOMPETENTES, SÃO À ESCÓRIA DA HUMANIDADE.

Deixe uma resposta