Tese por trás do número “2606” do email atribuido a Dilma é macabra

Mônica Moura, a marqueteira esposa de João Santana, revelou em depoimento que se comunicava com Dilma através de um e-mail, fato já comprovado. O endereço era 2606iolanda@gmail.com e foi escolhido pela própria petista.

Iolanda seria uma referência à esposa do ex-presidente Costa e Silva, segundo especulações. Sobre a data ainda não havia teorias até o momento. O cronista Paulo Briguet, da Folha de Londrina, publicou uma explicação sobre o número.

Veja o trecho:

“Mas por que o número 2606? Como em todos os enredos policiais dignos de leitura, esse detalhe também possui um significado. Na madrugada de 26 de junho de 1968 (26.06), a VPR lançou um ataque contra o Quartel General do II Exército, no bairro do Ibirapuera, em São Paulo (…) Eram 4h30 da manhã. O soldado Mário Kozel Filho estava de guarda no instante em que uma caminhonete foi lançada contra as paredes do quartel, enquanto o motorista saltava do veículo em movimento. Os 20 quilos de dinamite que estavam no carro explodiram, causando destruição em um raio de 300 metros. Seis militares ficaram feridos. Kozel teve o corpo despedaçado e morte imediata”

Segundo a teoria de Briguet, a data seria uma referência ao ataque terrorista do grupo que Dilma fazia parte, a Vanguarda Popular Revolucionária.

 

Anúncios

3 comentários sobre “Tese por trás do número “2606” do email atribuido a Dilma é macabra

Deixe uma resposta