Pais abrem os olhos e começam a se preocupar com Ideologia de Gênero nas escolas; a imprensa não está gostando disso…

Uma matéria publicada pelo jornal O Globo, na tarde de hoje, mostra exatamente de que lado a imprensa realmente está.

A matéria trata da questão da ideologia de gênero nas escolas, que os jornalistas Renata Mariz e Eduardo Barretto chamam de “questão de gênero”, e faz sutis críticas aos pais de alunos que se preocupam com a educação dos próprios filhos. Já no primeiro parágrafo, o golpe aparece:

As reclamações se multiplicam pelo país e resultam muitas vezes na substituição de livros, dividindo a comunidade escolar. No centro do debate, a linha tênue entre o direito da família de acompanhar de perto a educação dos filhos e a ingerência preconceituosa no processo coletivo de aprendizagem.

Perceba que aí já surge o primeiro ataque. Chamam de “preconceito” o fato de os pais não quererem que seus filhos em idade primária tenham aulas sobre sexo e gênero, mas o fato de haver quem queira ensinar essas coisas para crianças abaixo dos 10 anos de idade não parece lhes incomodar em nada.

Em seguida a matéria cita o caso do Colégio Ypê, uma escola que por sinal é da rede privada – e portanto o governo sequer deveria ter qualquer ingerência. Para os “jornalistas”, o fato de os pais tentarem interferir em algo assim, mesmo em uma escola privada, é errado. No entanto, sem querer, eles deixaram escapar que nem mesmo o diretor da instituição se incomodou com a ingerência da família. Veja:

Gilberto Fernandes Costa, um dos diretores do Colégio Ipê, diz que a saída foi possível por se tratar de um material de suporte às aulas de literatura, o que permite que os professores trabalhem livros diferentes dentro de uma mesma classe. Sobre a ingerência dos pais, Costa prefere não polemizar: “Se é possível trocar sem prejuízos pedagógicos, a gente troca. As famílias têm todo o direito de questionar e cabe à escola mostrar aos pais as razões da abordagem dos assuntos.”

O que seria mais polêmico do que o diretor ficar do lado dos pais e contra a imprensa? Pareceu suficientemente polêmica a resposta dele.

O restante da matéria basicamente consiste em fazer os pais parecerem monstros. Tanto é verdade que somente uma pessoa contrária a ideologia de gênero foi entrevistada, enquanto as outras cinco pessoas citadas na matéria são defensoras da pauta que a extrema-esquerda aprova.

Além disso, o cinismo, que é citar trechos realmente banais ou inofensivos dos livros criticados pelos pais, como se alguém fosse mesmo acreditar que tais banalidades gerariam tamanho incômodo. Mencionar, por exemplo, os textos que incentivam ao incesto entre pai e filha, que são distribuídos aos alunos do Instituto Federal de Santa Catarina, talvez fizesse parecer que os pais têm alguma razão, o que não é do interesse da imprensa.

No final, o verdadeiro objetivo se revela:

ScreenShot_20170729204735.png

Somente no fim do texto este parágrafo surge, mostrando a verdadeira intenção inicial: atacar o conservadorismo, a religião e de quebra usar o apelo a uma suposta autoridade dos professores para desmerecer a preocupação legítima dos pais.

Anúncios

13 comentários sobre “Pais abrem os olhos e começam a se preocupar com Ideologia de Gênero nas escolas; a imprensa não está gostando disso…

  1. Como o nome mesmo diz é ideologia, e não tem nenhuma base cientifica como pode ensinar algo sem consistência que tem varios seguimentos pregando coisas diferente, se pode pregar ideologia do genero, pode pregar nas ideologia cristã , mulçumana, pregar marxismo ou capilaismo, afinal não é uma escola Democratica , o que estão tentando fazer é empurrar uma idéia arbitraria goela abaixo, algo que foi repudiado no congresso do partido comunista chines, que é financiado pela fundação Rochifeller e Ford,chamada de castração psicologica da população.uma forma de reduzir crescimento populacional.

  2. Esperar o que da escumalha lobotomizada desde o berço??? É triste ter que dizer isso, mas dá para contar nos dedos os poucos jornalistas que sobraram, ainda dignos de alguma audiência. A chamada “grande mídia” – capitaneada pelos veículos da RedeSgoto – é uma pocilga midiática a soldo da agenda globalista da ONU, G. Soros & Cia… #LixosHumanos

    1. Que bom que o Eliseu Januário gostou. O Fábio sintetizou em algumas poucas frases a realidade da imprensa mundial e, de maneira muito justa, particularmente, a sofrível mídia brasileira.

  3. Sempre me preocupou essa ideia Socialista de que as crianças pertencem ao Estado, e que portanto os pais não tem autoridade e nem direitos. Tirar dos pais as escolhas de como seus filhos devem ser educados é muito perigoso.

  4. Perfeito Fábio Otero. Isto se chama MARXISMO GRAMSCINIANO CULTURAL, muito baseado em György Lukács, um pensador Húngaro totalmente voltado ao marxismo leninista.

  5. Se eu tomar conhecimento que um membro de minha família, sendo de tenra idade, estiver a mercê de lavagem cerebral praticada por um mentecapto desse porte, caio de p… nele até aprender a respeitar as famílias e compreender que a educação, seja qual for, deve ser ditada pelos responsáveis dos menores e não por esquerdistas esquizofrênicos que estão querendo descobrir a roda.

  6. O Sistema (Ministério da Educação) precisa alterar a grade curricular imposta às escolas, em troca de algo atualizado, cobrar médias de pontuação mais altas, próximas de 10. Deve aumentar a carga horária, principalmente das matérias de exatas e biológica. De preferência, adotar o ensino de tempo integral e extirpar a doutrinação político partidária de dentro da sala de aula. Ao invés disso, adota livros que ensina LIXO, ESGOTO para crianças indefesas.

  7. A. Educação dos filhos é um direito e dever dos pais não tendo o direito da escola e professores de ensinar lixo a nossos filhos .Joaquim

Deixe uma resposta para Joaquim cruz... Cancelar resposta