Rodrigo Tacla: “A Odebrecht organizava festas, enviava mulheres do Brasil a celebrações com políticos”

A Justiça espanhola acaba de negar a extradição de Rodrigo Tacla Durán pedida pelas autoridades brasileiras. O advogado, que até 2016 atuava na Odebrecht, tem nacionalidade espanhola desde 1994 (seu pai e avô eram galegos) e, por isso, conseguiu até o momento seguir em Madri em liberdade provisória. Em sua primeira entrevista, ele afirmou que a empresa arcou com os gastos de festas de que tomaram parte dirigentes da República Dominicana.

“A Odebrecht organizava festas. E enviava mulheres do Brasil a celebrações com políticos no Panamá e República Dominicana. Era a forma de a construtora expressar seu agradecimento. Apesar de que depois isso também se transformava em uma chantagem…”, explica o advogado em uma entrevista.

O advogado dessa empresa acusada de pagar subornos a Governos de 12 países afirma: “A Odebrecht tinha uma relação muito próxima com o presidente da República Dominicana, Danilo Medina”.

Tacla revela que a empresa decidiu em 2015 mudar de São Paulo para Santo Domingo seu Departamento de Operações Estruturadas (o escritório que pagava os subornos). “A finalidade era ter maior controle ante possíveis operações policiais e investigações”, explica o advogado, que atualmente se encontra em liberdade provisória na Espanha, onde foi detido pelos delitos de suborno, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A Justiça espanhola acaba de negar sua extradição ao Brasil, mas ele será julgado na Espanha pelos mesmos delitos com a documentação que for encaminhada de seu país natal.

O ex-advogado da Odebrecht conta em sua primeira entrevista que a empresa subornou mais de 1.000 pessoas no mundo e pagou 7,25 bilhões de dólares em comissões ilegais durante uma década. Tacla, que denuncia ter recebido ameaças, adverte que existem políticos e altos funcionários implicados na trama cujos nomes anda não apareceram.

As informações são do jornal El País.

Anúncios

Deixe uma resposta