Grande mídia está incomodada com desmascaramento de ‘fake news’ feito pelo Jornalivre e nos acusa de “perseguir” jornalistas

Há poucos dias o jornalista Pedro Venceslau, ligado ao Estadão, publicou em seu Facebook o seguinte:

aa0d0243-839f-456e-8587-e428797a757f.jpg

Perceba que o dito jornalista nem tem a capacidade de escrever o nome do site, Jornalivre, corretamente. Além disso, a alegação de que publicamos notícias falsas é antiga: um sujeito que tentou nos colocar este selo a qualquer custo foi o ex-jornalista da Folha e da CBN Gilberto Dimesntein, que por sinal é também um militante de extrema-esquerda ligado ao ex-prefeito Fernando Haddad.

O que é fake mesmo é esta acusação, e ela é tão falsa que no início do ano diversos blogs de extrema-esquerda usaram uma falsa lista da USP para nos atacar, alegando que estamos entre os “principais sites de notícias falsas do país”. A informação era tão inverídica que foi desmentida pelos próprios órgãos que supostamente fizeram o “estudo” para a tal lista.

Seja como for, há ainda a alegação de que estaríamos fazendo algum tipo de “perseguição” a outros jornalistas, o que denota o caráter ultra-sensível da atual imprensa, que é avessa a receber críticas ou qualquer apontamento moral. Se desmascarar notícias falsas e mostrar ao público que jornalistas de grandes veículos de comunicação alegadamente “isentos” e “neutros” possuem ligações diretas com movimentos esquerdistas é “persegui-los”, disso nós somos culpados e continuaremos a ser.

Na semana passada, por exemplo, o Jornalivre expôs publicamente a mentira contada pela CBN, que acusou agentes públicos da gestão Doria de terem jogados jatos d’água em moradores de rua. A notícia era tão fake que a própria CBN não apontou qualquer base para tê-la publicado, o que denota um claro interesse político. Nós também apontamos o fato de que a jornalista Camila Oliva é esquerdista, o que não é nenhum crime. Não foi feita qualquer incitação contra ela, apenas a exposição de uma informação que é de interesse público. Se uma emissora se diz isenta e alega neutralidade, é necessário mostrar que isso não é verdade quando de fato não é verdade. Aliás, isto é jornalismo.

A liberdade de expressão consiste tanto no direito de uma pessoa opinar ou dizer aquilo que pensa como também consiste no direito que outras pessoas têm de criticá-la. A censura começa a partir do momento em que uma pessoa pode falar sem poder sofrer críticas, porque aí ocorre o cerceamento da liberdade.

Há três dias o portal Comunique-se publicou matéria intitulada “Os haters e a perseguição aos jornalistas“. Na matéria somos, mais uma vez, acusados de publicar notícias falsas, mas como de praxe não dizem exatamente qual mentira contamos, o que deixa bastante claro quem realmente está mentindo. Além disso os autores da matéria alegam que perseguimos jornalistas, o que novamente não é verdade.

Para tentar emocionar o público, o texto cita supostos ataques e ameaças feitas contra jornalistas da grande mídia, mas não prova a ligação que estes ataques teriam com o trabalho feito pelo Jornalivre. Se alguma pessoa resolveu ameaçar a outra, nós não nos responsabilizamos por isso pelo simples fato de que não incentivamos qualquer tipo de violência. Não há, portanto, qualquer responsabilidade de nossa parte, pois nunca sugerimos isso em qualquer texto feito aqui. O que fazemos é tão somente expor os fatos, fatos estes que nunca serão expostos nos sites ligados a estes grandes jornais.

Em determinado trecho da matéria, o viés de censura contra a mídia independente fica claro:

“Precisamos, porém, ir além. As empresas precisam se posicionar. Não se pode permitir o mal que os haters causam a jornalistas.”

Que mal foi causado, afinal? E de que forma seremos impedidos de fazer o nosso trabalho? Aqui fica o alerta para aqueles que realmente lutam por liberdade de expressão, pois há uma clara intenção totalitária nesta curta frase.

Em outro trecho, o site se queixa:

“No caso de Camila, por exemplo, a campanha criminosa promovida pelo Jornalivre/MBL fez a repórter ser associada a termos como “mentirosa” e “extrema esquerda” – além de pedidos implorando por sua demissão da CBN.”

Sim, Camila mentiu. Está comprovado que a informação contra a gestão Doria era realmente falsa e que foi simplesmente inventada, sem qualquer base. Se isso não faz da jornalista uma mentirosa, faz dela no mínimo incompetente ao ponto de acreditar em boatos. Em ambos os casos, o resultado final foi uma notícia falsa usada para fins políticos. Ademais, associá-la à extrema-esquerda é fazer justamente o que ela não teve coragem de fazer publicamente.

Notamos também que o termo “extrema-esquerda” incomoda estas pessoas. Elas não gostam de ser taxadas de extremistas, embora vivam chamando qualquer um de “extrema-direita” por aí. Mas nem por isso vamos parar de dizer a verdade. Afinal de contas, se estas pessoas apoiam partidos como PT, PSOL ou PCdoB, de orientação comunista/socialista, e se elas apoiam ditaduras como a de Nicolás Maduro ou Raul Castro, elas são realmente extremistas e serão tratadas como tal. O rótulo é perfeitamente válido.

Ao final, o texto diz:

“Os haters atacam e, como no caso da repórter da CBN, os jornalistas enxergam a necessidade de se esconderem.”

Negativo.

O que faz com que esses supostos jornalistas queiram se esconder é apenas o fato de que foram pegos na mentira. Camila Oliva publicou informações falsas e pagou um preço por isso. Se ela foi de fato ameaçada ou coagida por alguém, que os responsáveis por tais atos sejam punidos, mas isso não é de nossa responsabilidade. O que fizemos foi dar uma informação ao público e expor algo que estava escondido.

A principal finalidade do trabalho do Jornalivre é expor a realidade e, acima de tudo, defender a liberdade de expressão. Não seremos intimidados por figuras que querem nos calar apenas por dizermos a verdade. Já tentaram isso antes e vão tentar novamente, mas o trabalho continua.

Anúncios

7 comentários sobre “Grande mídia está incomodada com desmascaramento de ‘fake news’ feito pelo Jornalivre e nos acusa de “perseguir” jornalistas

  1. Perfeito!!! Esse é o trabalho, desmascarar os jornalistas parciais e que tem lado. Parabéns ao JornaLivre/MBL pelo belo trabalho. As redes sociais tem essa função esclarecedora, a imprensa livre e sem compadrio é a verdadeira imprensa.

  2. Parabéns, continuem desmascarando esses supostos jornalistas “isentos” que sempre tem um lado.
    Precisamos de mais sites, blogs, jornalistas que desejam passar informações corretas, não fake news apenas para ganhar cliques/audiência

  3. Gosto de vocês e me identifico porque aqui tem culhão, sensibilidade é o meu ovo, bando de extremista, coletivista do cacete
    Tem mais
    Mais é que se fuder
    Sua hegemonia já era

  4. Esse pessoal de extrema-esquerda têm sérios problemas psicológicos, beirando a psicopatia, pois toda vez que a lógica é usada para mostrar o trabalho que realizam, apelam para esse histeria. São mesmo mentirosos, incompetentes e esquerdistas, onde é que está a perseguição em chamar as coisas pelos nomes. Outra hipótese é que sejam criminosos também, mentindo e manipulando de propósito.

  5. Parabéns ao MBL pelo excelente trabalho que estão realizando. Continuem assim. Não vai ser fácil porque o pessoal de extrema esquerda é bastante eficiente em criar mentiras e divulgá-las ao público.

  6. Quando são eles, da imprensa “oficial”, eles ferram e não satisfeitos, pisam nas pessoas, mas quando eles são desmascarados, aí é “fake”. Hipócritas! Além de estarem perdendo credibilidade em todo país, estão desesperados porque, seus órgãos da imprensa “oficial”estão perdendo leitores rapidamente, e correm o risco de ficarem desempregados.

Deixe uma resposta