Para felicidade da extrema esquerda, Gilmar Mendes estaria tentando barrar voto impresso

O Estadão informa algo gravíssimo que supostamente seria uma atitude bizarra de Gilmar Mendes, que só serviria para atender aos interesses da extrema esquerda (que não quer o voto impresso).

Basicamente, Mendes estaria utilizando a narrativa de que o custo de R$ 2,5 bilhões com o voto impresso (pelos próximos dez anos) seria algo inaceitável.

Em seguida, ministros do TSE diriam acreditar que “a reprodução do voto em papel vai provocar uma série de transtornos a partir do ano que vem, como aumento nas filas e no número de equipamentos com defeitos”.

O novo modelo de urna custa US$ 800 (cerca de R$ 2.520), ante US$ 600 (R$ 1.890) do modelo atual, e o TSE estima que 35 mil unidades – de um total de 600 mil – deverão ser utilizadas já em 2018.

Segundo a matéria, o presidente do TSE, Gilmar Mendes, tem discutido o assunto com Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outras lideranças partidárias.

Anúncios

14 comentários sobre “Para felicidade da extrema esquerda, Gilmar Mendes estaria tentando barrar voto impresso

  1. Se não tiver o voto impresso e auditoria a Smartmatic do Foro de São Paulo vai prevalecer. Se esse camarada insistir nisso, eu quero Votar em Papel na Urna como era antigamente e é nos países mais desenvolvidos do mundo.

  2. No atual Circo dos Horrores da política no bRa$iL, o povo está sentado literalmente no colo do palhaço! Sem a menor expectativa de melhora no médio e longo prazo.

    1. Sinceramente, o ser humano Gilmar Mendes, com o seu comportamento aberrante, ninguém percebe mas ele está implorando aos psiquiatras que o examinem com urgência!!!

Deixe uma resposta