Marina se entrega e faz discurso compassivo após condenação de Lula

Marina Silva tenta de maneira esforçada disfarçar seu petismo, mas num lampejo de emoção indignada com a prisão de Lula, ela não conseguiu se segurar.

Conforme a Folha, ela disse: “A Justiça nunca pode ser tomada como ato de vingança”. Isso no dia em que Lula – que a colocou como ministra do Meio Ambiente – foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão pelo juiz Sergio Moro.

Num dia em que Lula foi condenado, ela resolveu diluir a responsabilidade em outros partidos: “Os três grandes partidos que contribuíram para a democracia [PT, PSDB e PMDB] estão igualmente comprometidos, isso é muito triste”. Porém, ela não explicou como o fato do PT ter tido as chaves do cofre por 13 anos o torna responsável na mesma proporção em que outros partidos, inclusive de oposição.

A narrativa de diluição segue: “Agora não só os cidadãos comuns estão, digamos assim, acostumados a responder diante da Justiça. Temos empresários, lideranças de grandes partidos, Dilma, Lula, Aécio, o ex-presidente da Câmara [Eduardo Cunha], os atuais [presidentes do Congresso, Rodrigo Maia na Câmara e Eunício Oliveira no Senado] também estão sendo investigados…”

“Ninguém pode dizer que fica feliz com uma coisa dessas. Gostaria que tivesse sido tudo diferente”, diz.

Anúncios

3 comentários sobre “Marina se entrega e faz discurso compassivo após condenação de Lula

  1. Depois de ter apanhado feito cachorro vadio do PT, na campanha eleitoral mais sórdida que o país já teve?? Marina não toma jeito mesmo… Pior do que isso só mesmo a “mulher honrada” do FHC…

  2. Essa também não serve para administrar nem uma árvore (seringueira), quanto mais um país. É igual a Lindinberg , Randolfe, Tiirica, Gleise, etc, apenas mais calminha para tentar enganar os incautos.

Deixe uma resposta