Janot surta e faz algo que Moro jamais fez ao dizer: “Eles têm de rezar para eu não escorregar e bater a cabeça”

Ao que parece, o fato de Janot ter perdido o poder para Raquel Dodge  -que o substituirá em setembro, vencendo seu sucessor Nicolao Dino – tem feito mal ao PGR atual, que está destemperado, podendo se complicar.

Em um evento ao Jornal O Globo, ele adotou uma estratégia narrativa de vitimização sensacionalista que nem mesmo Sérgio Moro – sempre discreto e profissional – jamais adotou.

“Para morrer basta estar vivo. Mas, se acontecer alguma coisa comigo, a confusão é muito maior. Eu brinco que eles têm que estar rezando para eu não escorregar no banheiro e bater a cabeça. Temer eu não temo pela minha segurança, mas trato a coisa profissionalmente e passei a andar com seguranças. Não vamos ser ingênuos”, disse Janot.

O vitimismo não soou bem, principalmente por ter sido feito na hora errada: no momento em que ele já perdeu o poder para Dodge. Se ele tivesse conseguido eleger Nicolao Dino e mantivesse o poder de arquitetar planos contra adversários pelos próximos anos, talvez sua narrativa tivesse coerência.

No fim das contas, ficou apenas o clima de que ele tem nível ético e profissional muito inferior ao de Sérgio Moro, que jamais recorreu a artifícios desse tipo. Talvez seja pelo fato de Moro jamais ter assinado um acordo de total impunidade, como aquele que fechou com a JBS, e que pode complicar Janot após sua saída do cargo em setembro.

Anúncios

Um comentário sobre “Janot surta e faz algo que Moro jamais fez ao dizer: “Eles têm de rezar para eu não escorregar e bater a cabeça”

  1. É preciso esclarecer sempre ( e a maioria das pessoas já compreende isso) que Janot não tem nada a ver com a Lava Jato do juiz Moro. Pelo contrário, se há uma pessoa que prejudicou a credibilidade da Operação com o uso de métodos obscuros , foi Janot.

Deixe uma resposta