Raquel Dodge suspeitou de espionagem de Janot em seu gabinete

Segundo a Revista Veja, Raquel Dodge – que seria a primeira mulher aassumir a Procuradoria Geral da República – suspeitou de ter sido espionada por Janot em seu gabinete.

Desde que chegou ao cargo de subprocuradora-geral da República, ela se insurge contra o estilo da administração de Janot, que considera extremamente autoritário e pouco agregador. Como de costume, Janot a odeia.

A matéria diz: “Um episódio ocorrido há dois anos e meio, e mantido em segredo até agora, ilustra o nível da relação entre os dois.Em 3 de novembro de 2014, Raquel Dodge nem deveria comparecer à Procuradoria — aquele seria seu primeiro dia de férias —, mas, de surpresa, decidiu passar em seu gabinete para resolver algumas pendências. Chegando lá, percebeu que as luminárias instaladas sobre as mesas de trabalho tinham sido removidas e recolocadas no lugar. Havia sujeiras com marcas de impressões digitais no teto. Raquel estranhou e, no mesmo dia, pediu uma conversa com Janot. Ao procurador-geral, ela relatou o que havia ocorrido e, não satisfeita, preparou um ofício para formalizar a queixa e pedir providências.”

A coisa complicou logo em seguida: “No dia seguinte, ao chegar para trabalhar, a chefe do gabinete da procuradora encontrou dois homens, com uma escada, mexendo no teto da copa do gabinete. Os homens saíram do local antes que pudessem ser identificados.A desconfiança de que eles haviam entrado sem aviso com o propósito de retirar supostos dispositivos de escuta ambiental fez aumentar ainda mais o nível da suspeita. Avisada desse segundo episódio, Raquel voltou a cobrar Janot. Com a demora do procurador-geral em adotar providências, a própria Raquel levantou, em conversas com colegas e auxiliares mais próximos, a suspeita de que a suposta arapongagem pudesse estar partindo da área de inteligência da própria PGR, a serviço de Janot.”

Anúncios

2 comentários sobre “Raquel Dodge suspeitou de espionagem de Janot em seu gabinete

  1. Existe uma máfia instalada formada por juízes, promotores, procuradores, defensores públicos , empresários, advogados e família aliciada para o crime organizado em Recife Pernambuco. Mãe idosa incapaz falecida e eu somos uma das vítimas dessa quadrilha já denunciada no ministério da justiça e senado… O pgr Rodrigo Janot vem dando guarida a esses marginais. POR QUER O MPPE NÃO APARECEU NA OPERAÇÃO TURBULÊNCIA?…… O ministério público de Pernambuco vem sendo omisso em graves denúncias de corrupção, crime organizado, quadrilha, abuso de poder e terrorismo político-econômico de estado para proteger o governo de Pernambuco PSB desde a época do falecido ex-governador Eduardo Campos……… VÍTIMA DO GOVERNO DE PERNAMBUCO DE EDUARDO CAMPOS, mãe 82 anos, TEM PROVAS NO STJ PELA RP 471 DEFERINDO O REQUERIMENTO DEVIDO A ROUBO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PRATICADO PELA FACEPE FUNDAÇÃO DE AMPARO A CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO, FINEP MCTI E DUAS EMPRESAS PRIVADAS CALTECH DE FLÁVIO FONTES E 5IT DE ALLYSON PRAXEDES E HERMANO VENÂNCIO PROTEGIDAS PELO ACÓRDÃO ENTRE GOVERNO DE PERNAMBUCO PSB, TJPE DEFENSORIA PÚBLICA, MPFPE, MPPE E PGR RODRIGO JANOT MONTEIRO.

Deixe uma resposta