“Estamos formando universitários semianalfabetos”, diz Villa

O historiador e jornalista Marco Antônio Villa fez duras críticas ao sistema educacional brasileiro, em especial ao MEC. Para ele, o Brasil está formando universitários semianalfabetos.

Confira o comentário:

Anúncios

16 comentários sobre ““Estamos formando universitários semianalfabetos”, diz Villa

  1. Um Conhecido Que é Professor Na Escola Paulista De Medicina Em Conversa Confidenciou Que Foi Testemunha De Um Recém Formando Em Exame Escrever OÇO ao Invés De OSSO é De LASCAR

  2. Certo, investimento no ensino básico,
    Segundo comentário, de Ex Ministro da Fazenda:. ….” Quem aos 9 anos não domina leitura, escrita, conceitos básicos, elementares, de Matemática, já é Excluído”…

  3. Eu concordo plenamente com oque ele escreveu, os alunos hoje quando vão à escola ou faculdade não dão valor na questão de aprendizagem que é o mais importante. Pra começar não aprendem nada no primeiro grau nem no segundo, já chegam analfabetos.

  4. O orifício é mais abaixo. Leiam o livro professor até a morte e não mais atacarão a incompetência dos nossos formandos, mas como eles chegam lá.

  5. Pro Villa só seria boa a Educação do PSDB, seu partido. A mesma Educação que o FHC quase acabou quando foi presidente deixando às traças as universidades e seu corpo de professores. Me admira ele que foi professor da UFSCAR dizer isso.
    Aliás este Jornal Livre, pelo teor de suas matérias, deve ser também a favor da escola sem partido. Francamente.

    1. Ivan Vilela, independe de partido político, qualquer pessoa com um bom nível cultural, vai saber identificar o desastre das nossas escolas! Pelo menos na época do FHC os alunos ainda podiam ser reprovados e respeitavam os professores! Outra coisa, ele não colocou nas faculdades, alunos semi analfabetos, trabsformando-os na geração do diploma, onde o sujeito sai como diploma na mão, sem a mínima condição de pleitear um bom emprego, por pura falta de conhecimento! Alunos que vão pra faculdade escrevendo “encino, concerteza, proficional, nada haver”, fatalmente serão um fracasso profissional!!! E tudo isso, por falta de investimento no ensino de base! Não podemos esquecer que, em tempo algum, vimos políticos interessados num povo culto e instruído, pois não gera votos! O que vimos, ultimamente, foi esse tipo de processo eleitoreiro, como esse de cotas!!!

  6. A educação precisa mudar na base. Melhor dizendo o ensino. Educacao precisa vir de casa fundamentalmente. Na escola o primordial nos dias de hoje é a falta de respeito e disciplina. Sem isso é inútil qualquer tentativa para melhorar o ensino.

  7. Sou professor a 10 anos. A questão da formação universitária realmente é caótica. Como bem colocado, as universidades, no sentido de maximizar o lucro, minimizam a qualidade educacional e se transformam em impressoras de diplomas.

    Mas convenhamos, o problema não é só universitário. Trata-se de um colapso cultural, onde o “esforço” para conseguir algo tem se limitado à simples reprodução de conteúdos, o “pensar e refletir” está entrando em desuso.

    As pessoas estão sendo acostumadas nas escolas públicas e privadas de ensino fundamental e médio a serem promovidas sem a menor necessidade de conhecimento. Em troca de verbas, aprovam-se alunos, enquanto justifica-se o fracasso, sempre à sombra de algum problema ou implicações sociais.

    A máquina vai parar meus caros… Aguardem…

  8. SE NAS PÚBLICAS ESTÁ RUIM… IMAGINE NAS FACULDADES PARTICULARES, ONDE A MISSÃO É O LUCRO. QUNDO LEVANTEI ESTAS QUESTÕES NAS FACULDADES PARTICULARES QUE EU PASSEI EU FUI MANDADO EMBORA. UMA VEZ REPROVEI UMA VEZ REPROVEI O TCC. O RESULTADO É Q PASSARAM O ALUNO E ME DEMITIRAM. HAVIAM RECOMENDAÇÕES PRA N REPROVAREM OS ALUNOS BOLSISTA E ALUNOS FIES. TENHO A CÓPIA DA MONOGRAFIA DO ALUNO, PARA QUEM QUISER QUE EU PROVE O QUE ESTOU DIZENDO

  9. O ensino primário das décadas de 60 e 70 eram mais fortes que muitos ensinos superiores de hoje. As crianças aprendiam a escrever corretamente, inclusive com as devidas pontuações, sabiam compreender um texto e elaborar redações. Matemática era dominada também. Outra questão era o respeito que os alunos e pais tinham com os professores. Era a época do militarismo, cantávamos o Hino Nacional diariamente antes das aulas. E estou falando das escolas públicas. Hoje os diretores e inspetores destas escolas vivem acuados com medo de alunos e dos pais deles, sem falar dos traficantes que aliciam descaradamente os adolescentes nas portas das escolas. Este País não tinha e não tem maturidade moral pra viver sem ser conduzido, infelizmente é esta a realidade, doa a quem doer. Falta-nos muito ainda. Com os desgovernos, a educação foi jogada a lama , propositalmente.

  10. Sem falar que no entorno das faculdades há inúmeros bares, vendendo bebidas alcoólicas livremente . Basta passar perto pra verificar que há mais alunos nos bares do que dentro das faculdades. Aí eu pergunto: é possível isso ?????? fala sério né ?

  11. Sim, concordamos que o ensino basico fundamental esta deprimente faz decadas, mas o que se tem feito sobre isso? Os alunos tem que seguir em frente, se entraram em faculdades, analfabetos, que seja, ou sera que o digníssimo esta propondo excluir as faculdades para a solucao dos problemas? Tudo bem entao, ja que o ensino basico nao tem qualidade, ninguem maqis faz faculdade, e isso? so bla bla bla de quem nunca passou pelo problema.

  12. Na época de FHC, que foi quando eu fiz vestibular, tínhamos que superar as questões objetivas e depois numa segunda etapa, provas discursivas de português, redação e 2 específicas, no meu caso química e biologia. Só entrava numa Universidade Federal quem tinha um conhecimento pelo menos razoável. Pede um aluno de biológicas pra fazer uma discursiva de química hoje e verão o desastre. Nos governos subsequentes a meta foi igualar por baixo, massificar a informação mínima. Com isso as Instituições foram obrigadas a se nivelar ao baixo nível educacional dos alunos.

Deixe uma resposta