Órgão ambiental apura área desmatada por obra em lote de Cid Gomes

Especialistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) se reúnem hoje para analisar as provas colhidas no terreno do ex-governador Cid Gomes (PDT) na Serra da Meruoca, a 250 quilômetros de Fortaleza. As obras do ex-governador estão embargadas por terem sido levantadas em área de proteção ambiental (APA).

Hoje também deverá ser discutido um projeto para revitalizar a área. A partir de imagens de satélites e outros materiais entregues por fiscais, o ICMBio irá produzir relatório técnico com o total de danos à área para avaliar o volume total de multas a serem aplicadas. O documento marca o início de processo administrativo contra a empresa Condomínio Terra Nova e Comunicações LTDA.

Ainda na semana passada, o ICMbio lavrou multa de R$ 6 milhões por irregularidades encontradas área do topo da serra. O projeto de Cid e seu sócio Disraeli Azevedo Ponte era a construção de dez lotes com vista para os arredores da serra. Disraeli também é dono da Easy Air, empresa de aluguel de aeronaves que firmou diversos contratos com o governo na época de Cid.

O impasse sobre a construção em terreno de Cid começou na última quarta-feira (6). A partir de denúncias, o ICMbio visitou a área onde havia obras em andamento. O empreendimento foi embargado logo após a fiscalização.

Fiscais informaram que mais de 14 mil metros quadrados de área verde teriam sido afetados pelo empreendimento. A obra possui alvará da Prefeitura de Meruoca, comandada por Antônio Fonteles (PP), eleito em 2016 com apoio dos Ferreira Gomes.

“Obra é regular”

A assessoria do ex-governador Cid Gomes argumentou que a obra é regular porque possui licença da Prefeitura e informou que irá recorrer na Justiça contra o embargo. De acordo com Cid, ele teria sido vítima de “arbitrariedade e perseguição política”, porque o atual superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) no Ceará, Herbert Lobo, foi indicação do adversário político em Sobral, deputado federal Moses Rodrigues (PMDB), apadrinhado do presidente do Senado, Eunício Oliveira.

Herbert rebateu as acusações de perseguição política e disse que a operação não partiu do Ibama e nem foi conduzida por ele. O órgão, segundo ele, deu apenas apoio ao ICMbio. “Importante ressaltar que ICMBIO e IBAMA são autarquias federais autônomas e independentes entre si”, disse Herbert.

Mau momento

O ex-governador Cid Gomes (PDT) passa por fase difícil. No último mês, ele virou réu em suposto crime contra o Sistema Nacional Financeiro, foi mencionado na delação do dono da JBS, Joesley Batista e ainda teve sua obra, construída a poucos quilômetros de seu reduto eleitoral de Sobral, embargada. Há poucas semanas, Cid havia anunciado que concorreria à vaga no Senado em 2018, em disputa contra Eunício Oliveira (PMDB).

Rivalidade

A aliança entre Eunício e Cid se rompeu com a candidatura de Camilo Santana em 2014. Mas 2018 deve reservar um novo capítulo de rivalidade entre os caciques no Ceará. Com o fim dos oito anos de mandato de Eunício no Senado, os dois citados em delações devem concorrer ao cargo.

O texto é do jornal O Povo.

 

Anúncios

Deixe uma resposta