Sob pressão, Fachin marca para julho depoimentos de Lula e Dilma em ação de Gleisi

Valor Econômico – O ministro Edson Fachin, relator dos processos da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), marcou para 7 e 28 julho, respectivamente, os depoimentos do ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT, na ação penal em que são réus a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-ministro Paulo Bernado (PT-PR).

Eles foram arrolados como testemunhas de defesa. Lula vai depor na Justiça Federal de São Paulo e Dilma, na Justiça Federal do Rio Grande do Sul. Ambos serão ouvidos por meio de videoconferência. Entre outros, também foram marcados os depoimentos do ex-ministro Gilberto Carvalho e dos ex-presidentes da Petrobras Graça Foster e José Sérgio Gabrielli.

Nota do JL – Fachin tem sido pressionado por favorecer petistas em suas ações. Os processos da Operação Lava Jato que estão nas mãos do STF só caminham rapidamente quando se trata dos inimigos do PT, mas se arrastam lentamente quando se referem ao próprio partido. Desde que Fachin assumiu como relator da Lava Jato, substituindo Teori após sua morte em um sorteio que coincidentemente caiu em seu colo, a operação não avançou nem mesmo um passo contra o PT.

Adiar o depoimento no processo contra Gleisi não seria mais uma forcinha para o partido?

Anúncios

Um comentário sobre “Sob pressão, Fachin marca para julho depoimentos de Lula e Dilma em ação de Gleisi

  1. Considerando a fragilização do pt e da esquerda atualmente nao entendi a nota desde jornal afirmando que o Pt consegue fazer pressão junto a Fachim. Acho que se Lula tivesse que cair já teria caído. É preciso ter provas ainda que para provar que os réus destruíram as provas. Ninguém pode julgar ninguém sem provas. O que acontece virou perseguição política nua e crua.

Deixe uma resposta