Com desarmamento e redução da desigualdade, Brasil é responsável por 10% dos homicídios do mundo

Informa o site Congresso em Foco:

Todos os atentados terroristas do mundo nos cinco primeiros meses de 2017 não superam a quantidade de homicídios registrada no Brasil em três semanas de 2015. Em 498 ataques, 3.314 pessoas morreram, de acordo com  levantamento da Esri Story Maps e da PeaceTech Lab. Segundo o Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, cerca de 3,4 mil pessoas foram assassinadas no Brasil a cada três semanas em 2015. As informações foram produzidas pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e estão no Atlas da Violência 2017. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (5).

O estudo contabiliza 59.080 assassinatos no país em 2015, e os pesquisadores consideram que o resultado consolida uma mudança de patamar, em que as mortes violentas permanecem perto dos 60 mil homicídios registrados em 2014. Os registros permitem calcular uma taxa de 28,9 assassinatos para cada 100 mil brasileiros. Apesar de ser 3,1% menor que a de 2014, a proporção é 10,6% maior que a registrada em 2005.

O site Implicante fez uma boa análise sobre estes dados trazendo algumas informações adicionais muito relevantes:

Foi aprovado no final de 2003, com o famigerado referendo em 2005 no qual os desarmamentistas sofreram uma das mais acachapantes derrotas desde o advento do voto direto (ainda assim, sem que fossem alterados os dispositivos vigentes). Então, presume-se que o número de homicídios diminuiu de lá para cá, correto? Vejamos o seguinte gráfico, com os dados do Atlas da Violência:

violencia-no-brasil-1098px

De duas, uma: ou o Estatuto é uma lei inócua que os criminosos não cumprem (afinal, se a pessoa está disposta a matar outra, ela não está assim tão preocupada em ferir uma regra menos grave), ou o ele PREJUDICOU o quadro, já que criminosos agora têm um pouco mais de certeza de que a vítima provavelmente estará desarmada.

Mas o esquerdista, como bom fanático, dirá que poderia ser pior SEM o desarmamento. O que nos leva ao próximo item.

A DESIGUALDADE CAIU

Segundo o esquerdismo, a criminalidade alta é motivada pelo fato de que há pessoas ricas e outras pobres, sendo que estas últimas seriam levadas a cometer delitos pela força das circunstâncias. A tese, idiota em essência, é equivocada também matematicamente: nem 0,0001% dos pobres são bandidos, o que afasta a condição “pobreza” como fator preponderante para o banditismo.

Porém, é ainda pior. A desigualdade DIMINUIU ao longo dos anos. Vejam os números a seguir, divulgados pelo governo federal ainda sob Dilma Rousseff:

gini1

 

Diante disso, e considerando a eficientíssima lei do desarmamento, então os crimes violentos diminuíram? Não. Aumentaram. Por quê? Porque nada disso é fator determinante, é tudo balela ideológica desmentida pelos fatos.

Anúncios

Um comentário sobre “Com desarmamento e redução da desigualdade, Brasil é responsável por 10% dos homicídios do mundo

  1. Violência só vem aumentando porque: a população foi desarmada e a bandidagem não foi. Também temos o combate do estado contra as drogas (eu sou contra usar drogas, mas se o cara quer usar isso é problema exclusivo dele) que só fez e ainda faz os bandidos se armarem ainda mais, visto que eles lucram no mercado negro porque estão livres de impostos, regulamentações e qualquer burocracia estatal para manterem seus “negócios”. Ahh foi assim que Al Capone se criou nos EUA né mesmo? Quando o governo de lá resolveu proibir o álcool.

    Desigualdade só vem diminuindo justamente por fruto do capitalismo que é o terreno fértil para o empreendedorismo. E se tratando de Brasil, aqui temos um mínimo de capitalismo e mesmo assim já fez algo de bom. Em outras palavras, tudo que o estado se intromete, no fim da errado.

Deixe uma resposta