Gal Gadot, a “Mulher Maravilha”, é tudo o que a esquerda não quer que as mulheres sejam

Já é de conhecimento geral que esquerdistas, especialmente aqueles ligados ao movimento feminista, pensam que são os donos das “minorias” e que estas “minorias” precisam se portar de acordo com sua agenda. Não é por acaso que gastem tempo considerável atacando qualquer negro, mulher, homossexual ou estrangeiro que recuse suas teses. Para eles, o fato de uma mulher ou um negro terem opiniões diferente daquilo que eles dizem defender é inaceitável.

Com a atriz Gal Gadot não foi diferente. Ela vive a heroína “Mulher Maravilha”, um dos personagens mais conhecidos das histórias em quadrinhos, e o destaque dado ao seu filme causou incômodo nos esquerdistas. Há alguns motivos muito claros para isso, e aqui vamos listá-los.

1) Origem israelense

A atriz é nascida em Israel, é judia e ainda teve a “pachorra” de declarar-se favorável às ações do governo israelense para proteger seus cidadãos do terrorismo islâmico. Essa soma de fatores já a fez cair em desgraça com as feministas, uma vez que o esquerdismo é historicamente antissemita. Não é por acaso que aqui mesmo, no Brasil, membros do PSOL tenham queimado uma bandeira de Israel há alguns anos.

2) Gadot já foi modelo e segue os “padrões de beleza”

Como muitos já sabem, antes de ser atriz a “Mulher Maravilha” foi modelo. Ela chegou a ser Miss Israel em 2004 e ainda concorreu ao Miss Universo quando tinha somente 19 anos, embora tenha sido derrotada pela concorrente australiana no concurso.

Gal Gadot é conhecida por ter o que muitos chamam de “padrão de beleza”. É magra, alta, tem porte atlético e é vaidosa. Isso irrita o movimento feminista, tanto é que recentemente elas já haviam implicado com o fato de que a atriz não deveria se depilar para o papel de Princesa Diana.

3) A atriz é, também, uma “mulher de família”

Diferente de muitos artistas da atualidade, que ficam fazendo pose para ganhar o apoio dos progressistas, Gadot segue sua vida normalmente sem dar moral para estes grupos. Ela é casada há quase 10 anos com o empresário israelense Yaron Varsano, com quem teve duas filhas.

4) Ter servido ao exército e ser pró-armas

Gadot serviu por dois anos ao exército de Israel, pois lá o serviço militar é obrigatório para homens e para mulheres. Além disso, há rumores de que a atriz seja pró-armas e, portanto, a favor da legítima defesa. Embora não haja confirmação oficial, os boatos afirmam que ela seja contrária ao desarmamento civil.

 

Anúncios

7 comentários sobre “Gal Gadot, a “Mulher Maravilha”, é tudo o que a esquerda não quer que as mulheres sejam

  1. esses caras dizem “melhor ainda” quando uma mulher é “homem” pq usam da masculinidade e o penis como o último bastião da masculinidade e superioridade. pq as bucetas são o problema, pq a forma como as mulheres são psicologicamente é inferior, degenerado, inferior como se apenas o corpo fosse digno de um mínimo de consideração.

    por isso gostam tanto de travestis

  2. Gal Gadot faz o papel muito bem, gostei demais do filme. Mas parece que tem gente com fixação, paranóia, enfim…De esquerda…Tudo é culpa da esquerda…Acho que no fundo são uns recalcados que gostariam de ser como os de esquerda ou que se declaram como tal…Não é possível…Fala sério…

Deixe uma resposta