Candidatos para substituir Janot também acham que o acordo de total impunidade à JBS foi absurdo

A isenção de punição despertou críticas contra o Ministério Público Federal no meio político, incluindo do presidente Michel Temer.Candidatos ao cargo de procurador-geral da República, hoje ocupado por Rodrigo Janot, criticaram os termos do acordo de colaboração dos delatores da JBS que receberam autorização para sair do país.

Ex-vice-procuradora-geral, Sandra Cureau, que vai concorrer na disputa, disse que o caso causou surpresa e foi “completamente diferente” do histórico da Lava Jato, podendo resultar em “impunidade.”

“Se alguém faz uma delação premiada, não é para que não se sujeite a nenhum tipo de punição. É para que ele possa ter algum benefício. Não simplesmente ‘até logo, vou-me embora’.”

Outro candidato, Eitel Santiago diz que os irmãos Joesley e Wesley Batista não poderiam ter um benefício tão grande e que o “Ministério Público se precipitou”.

“Seria o caso de o Supremo Tribunal Federal olhar se não poderia rever essa delação. Esse acordo não merece os benefícios que tiveram.”

Sete dos oito candidatos participaram nesta segunda-feira (29) de um debate promovido pela Associação Nacional do Ministério Público, em São Paulo.

Questionados pela reportagem, a maioria dos candidatos preferiu não comentar os termos específicos do acordo com a Procuradoria-Geral da República.

O candidato Franklin Rodrigues da Costa disse, fazendo a ressalva que não conhece as “entranhas do caso”, que Rodrigo Janot dosou os benefícios de maneira criteriosa.

“Ele [Janot] fez uma avaliação da dimensão do que foi apresentado, de 1.800 políticos [citados]”

ORÇAMENTO

Principal tema político do país, a Operação Lava Jato foi assunto secundário no primeiro debate.

Questões como restrições orçamentárias, indicações da classe para órgãos e a organização interna da Procuradoria-Geral da República foram alguns dos pontos abordados pelos sete candidatos que compareceram.

Em uma intervenção, o candidato Eitel Santiago defendeu punições a integrantes do Ministério Público que decidam ir “para o outro lado do balcão” –escritórios de advocacia que atuem em sua mesma área de trabalho.

Foi uma referência ao caso do ex-procurador Marcelo Miller, que atuava na Lava Jato em Brasília e deixou a carreira para ser advogado na Lava Jato.

Os candidatos também defenderam regulação para a cessão de profissionais das Procuradorias nos Estados para equipes de força-tarefa, como as da Lava Jato. O tema já foi debatido no Conselho Superior do Ministério Público e gera polêmica pelo possível efeito sobre a maior investigação em andamento no país.

“A situação do caixa dois nós temos que avaliar caso a caso. Eu diria mais. Eu não abarrotaria o Supremo Tribunal Federal com 70 inquéritos [decorrentes da Lava Jato], em que quase metade deles é relativo a caixa dois, sem antes verificar a que cada um desses crimes se refere. Porque seria simplesmente inviabilizar o Supremo Tribunal Federal com uma investigação”, disse o candidato Carlos Frederico Santos.

Sem citar a crise política, o candidato Nicolao Dino disse que é preciso “manter aberta a pauta de atuação” do Ministério Público Federal, e não ser uma instituição que trabalha apenas “em uma linha específica”.

A subprocuradora Raquel Dodge mencionou a economia anual que o Ministério Público Federal terá que fazer, de R$ 216 milhões, e disse que o impacto é “profundo” sobre as atividades da instituição. “Vamos ter que fazer escolhas.”

O candidato Mario Bonsaglia também citou a PEC do teto, limita o aumento de despesas no setor público, e afirmou que o próximo ocupante do cargo terá “enormes desafios”.

A candidata Ela Wiecko não compareceu ao debate por motivos pessoais e gravou um depoimento em vídeo.

A votação que definirá três nomes para uma lista tríplice será no fim de junho. Entre os três nomes, o presidente Michel Temer escolherá o novo procurador-geral em setembro. Não necessariamente o mais votado pela categoria é o escolhido.

O texto é do blog de Cesar Weis.

Anúncios

2 comentários sobre “Candidatos para substituir Janot também acham que o acordo de total impunidade à JBS foi absurdo

  1. .
    Coisas que ninguém da MIDIA e nem mesmo de blogs irá destacar sobre a safadeza da PGR (claramente petista) com os bilionários da JBS:

    Um acordo de leniência no valor de R$ 10,3 bilhões para serem pagos em 25 ANOS e apenas corrigiodo pelo IPCA …PQP!!! …PQP!!! …PQP!!!

    Primeiramente o IPCA é um índice fajuto, sobretudo para quem negocia em dólares. Sem contar que é manipulado entre pesos dinâmicos nos itens do calculo.

    IPCA …SEM JUROS???? …Já é coisa de safados.

    IPCA …EM 25 ANOS???? …Já é coisa de safados.

    Outro fato importante é quando começarão a pagar???

    Se antes dos 25 ANOS a JBS falir aqui no bananão, como ficará o pagamento???

    Se simplesmente NÃO PAGAR, qual será a penalidade???? ..RENEGOCIAÇÃO????

    Poderá pegar emprestado ao BNDES mais financiamentos para pagar tal dívida???
    Afinal, com o acordo JÁ ESTARÃO HABILITADOS para conseguir NOVOS EMPRÉSTIMOS SUBSIDIADOS no BNDES.

    Francamente…
    Ademais, FUNDOS de PENSÃO, BNDES, Caixa Econômica e BB são, juntos, donos da maior parte da tal empresa …FRANCAMENTE!!! …esse tal acordo da PGR (canalhas corruptos do PT; PTGR) é um acinte à população.

    Os irmãos bandidos do PT estão bilionários no exterior e pouco se lixando para J&F ou JBS.
    Simplesmente NÃO HAVERÁ PAGAMENTO!!! …Afinal os acionistas são FUNDOS de PENSÃO, BNDES, Caixa econômica e BB.

    EM 26 ou 27 anos, fora renegociações, a JBS vai quebrar e não vai pagar tal multa. Além de ainda pegar mais financiamentos no BNDES, já que pelo acordo esta habilitada.

    o PULHA ENGANOT apenas aplicou uma estratégia para engabelar imbecis com tal acordo. Os bandidos estão BILIONÁRIOS, LIVRES, LEVES e SOLTOS!!!

    PGR, sobretudo ENGANOT = Advogados do PT e demais Bandidos!!!

Deixe uma resposta