Presidente da OAB, que se calou diante de escândalos de Dilma, diz: “Temos que ir até o fundo do poço se for necessário”

A Ordem dos Advogados do Brasil formalizou na tarde desta quinta-feira (25) o pedido de impeachment de Michel Temer. Um grupo com quase 100 dirigentes seccionais e o presidente da entidade máxima da Advocacia, Cláudio Lamachia, compareceram à Câmara dos Deputados para protocolar o pedido contra o peemedebista.

A denúncia da OAB é de que o presidente teria cometido crime de responsabilidade, em violação ao artigo 85 da Constituição. Os membros do colegiado se basearam na gravação da conversa entre o presidente da República com o empresário Joesley Batista, dono da JBS, no Palácio do Jaburu, no dia 7 de março.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o presidente nacional da OAB defendeu uma refundação da República: “o momento é esse. Temos que ir até o fundo do poço se for necessário”.

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM), já afirmou que não dará prosseguimento aos pedidos de impeachment protocolados na Casa. Mas Lamachia crê que ele cumprirá com a obrigação do cargo e terá a responsabilidade de dar curso no exame de admissibilidade para a abertura do processo de impeachment contra Temer.

Ao ser questionado como é para a Ordem dos Advogados do Brasil protocolar novamente um pedido de impeachment contra um presidente, Lamachia ressaltou a necessidade de reformas: “isso demonstra que nosso sistema político precisa ser reformado imediatamente e que vivemos hoje uma crise ética e moral sem antecedentes”.

Para o presidente nacional da OAB, os dois pedidos de impeachment – contra Dilma Rousseff e Temer – mostram que a instituição é independente. “A partir do momento que pede de Dilma e pede contra Temer, duas situações absolutamente distintas no campo ideológico, o que isso demonstra é o compromisso que a OAB tem com o Brasil, tomando decisões absolutamente técnicas e sua independência. OAB não pode se movimentar de acordo com paixões ideológicas ou partidárias e tem que cumprir seu papel de acordo com a Constituição. A OAB é do cidadão, dos advogados e da sociedade”, defendeu.

Lamachia afirmou ainda que a OAB ponderou a possível crise econômica e política em caso de um novo processo de impeachment tramitando no País, mas disse que a OAB segue as leis e a Constituição. “Não vejo outra maneira da OAB agir que não seja levando em consideração as leis e a Constituição federal. Lamento profundamente que estejamos neste momento novamente. Não me agrada de, como presidente da OAB, ter que pedir impeachment de dois presidentes em menos de um ano e quatro meses, mas temos um compromisso e tenho que cumprir as responsabilidades que me foram colocadas”, finalizou.

As informações são da Jovem Pan.

Anúncios

5 comentários sobre “Presidente da OAB, que se calou diante de escândalos de Dilma, diz: “Temos que ir até o fundo do poço se for necessário”

  1. Não tenho bandidos de estimação, mas se esses ilustres “adEvogados” querem mesmo “ir ao fundo do poço”, um profundo mergulho nas próprias consciências e uma boa olhada nos espelhos de corpo inteiro seriam de excelente alvitre. #ParaBomEntendedorMeiaPalavraBasta

  2. Ao que saiba até o impeachment da Dilma ainda só pesava sobre ela a famigerada “Pedaladas” depois do impeachment veio à tona mais barbaridades.

  3. Creio que o presidente da OAB está mais para Cláudio LAMARCA que Lamachia. Lhe falta altivez além de bom senso, com posicionamentos antagônicos. Com Dilma se cala com Temer se abala. Deixando o respeito de lado com certeza este bacharel em direito não tem a honradez que o cargo exige. Sua postura é própria de bacharéis sem currículo que mantém plantão nas Delegacias de Polícia para defender pequenos traficantes e usuários contumases.
    Ora um presidente da OAB tem demonstrar postura adequada e não se posicionar diante de holofotes para que possa brilhar mais que os raios de luz. É de uma pequenez enorme, desprovido de ética pessoal e profissional desqualificando a ordem que preside. Com certeza deve também estar sendo beneficiado com as próprias ou roubos realizados pela esquerda. Pois Lula e Dilma roubaram tanto que agora precisam gastar ou patrocinar advogados para lhes defender causando os demais. A OAB também deveria pedir o impedimento de seu presidente que não representa a própria Ordem.

  4. Nada que já não sabemos, a retórica é a mesma, sem nenhuma novidade… No momento caótico, que o país está atravessando, não precisamos mais repetições, o que precisamos mesmo é de novidades dentro desse caos ambulante, que assola o Brasil de ponta a ponta…

Deixe uma resposta