Durante depoimento de Lula, Moro foi exemplo de auto-controle e firmeza

por Roger Scar

Imagine-se na situação de Moro:

Você é um juiz federal, uma profissão que normalmente já exige bastante empenho físico e mental, além de certo equilíbrio emocional. Agora, imagine-se julgando o maior caso de corrupção da história global, estando diante de um dos principais réus no processo e ainda por cima na presença de advogados provocadores que querem apenas tirar você do sério para que consigam algum ganho político.

Pensou?

Era assim que estava Sérgio Moro ontem, diante de cobras criadas, malandros, sujeitos que queriam irritá-lo de propósito apenas para que ele em algum momento perdesse o prumo. Mas essa tática não funcionou. Moro conduziu o trabalho do início ao fim demonstrando segurança, muita firmeza e um absoluto controle da situação. Não reagiu diante de provocações do réu e de sua defesa, soube como manter o foco e levar o depoimento – que a defesa tinha interesse em arrastar – adiante, contornando as interrupções com muita calma.

Muitos pensam que o trabalho do juiz é confrontar o réu, mas de fato não é disso que se trata. Moro, se tivesse confrontado Lula, se lhe tivesse apontado o dedo na face e dito algumas verdades, teria perdido a razão e teria feito exatamente o que a defesa do petista queria que ele fizesse. Não é para isso que ele está lá. O juiz em um processo está lá para fazer exatamente o que Moro fez, ou seja, conduzir o processo da maneira mais clara e rápida possível para no fim, quando necessário, proferir sua sentença.

Também alguns se decepcionaram porque pensavam que Lula sairia de lá preso ontem mesmo. Um juiz midiático talvez fizesse isso, mas Moro não fez, porque é esperto o bastante para saber que seria precipitado. É verdade, sim, que esse caso está se arrastando e que a sociedade quer justiça, mas um juiz não pode estragar todo um enorme processo como esse apenas para atender ao clamor das ruas. Seria estúpido se fizesse!

Moro demonstrou de forma clara que sabe exatamente o que faz. Ele é quem está no controle. Sua calma e superioridade moral, demonstradas ontem com clareza, provam quem realmente comanda o trabalho.

Anúncios

2 comentários sobre “Durante depoimento de Lula, Moro foi exemplo de auto-controle e firmeza

  1. Realmente! Eu fiquei admirada com a calma que manteve durante processo. Não elevou e nem mudou o tom de voz. Um exemplo para os que são juizes. Não levar nada na questão pessoal e sim profissional. Foi exatamente o que ele fez. Não se deixou levar pelo nervosismo do Sr. Ex.Presidente, como o Moro o chamava. Parabéns, Dr. Moro. Estamos do seu lado !

Deixe uma resposta