“Se um dia eu tiver que mentir, prefiro que um ônibus me atropele”, diz Lula, sem dar risada

Depois do depoimento, Lula falou aos milicianos do PT que foram para Curitiba. Após discurso de Dilma, ele até simulou um choro ao falar ao falar das acusações pelas quais responde.

Com a voz supostamente embargada, ele disse: “se eu tivesse alguma culpa e estivesse falando com vocês agora. Virei em quantas audiências forem necessárias, quantos depoimentos forem necessários. Se tem um ser humano que está em busca da verdade, sou eu”.

“Estou vivo e me preparando para voltar a ser candidato à presidência desse Pais. Nunca tive tanta vontade como tenho agora de fazer mais, melhor e provar mais uma vez que se a elite não tem competencia para consertar esse país, o metalúrgico do quarto ano do primário vai provar que é possível”, disse.

Ele seguiu com a narrativa de ser um “perseguido” e chegou a afirmar “querer estar vivo” para que a história prove o quanto foi perseguido.

 

Advertisements
Anúncios

4 comentários sobre ““Se um dia eu tiver que mentir, prefiro que um ônibus me atropele”, diz Lula, sem dar risada

Deixe uma resposta