Chamar de “vagabundos” foi pouco. Por que Filipe Barros não chamou as milícias pró-PT de terroristas?

por Roger Scar

Neste último fim de semana ocorreu uma situação bizarra em Londrina. O vereador Filipe Barros, que é também membro do MBL, denunciou e criticou a postura terrorista das organizações sindicais ligadas a CUT, que também lá praticaram todo tipo de violência contra a população na última sexta-feira.

Em um vídeo publicado na sua página no Facebook, o vereador fez duras críticas aos movimentos petistas por coisas realmente graves, tais como depredação de patrimônio público e privado, intimidação de pais e alunos de escolas que eram contrárias à greve, além de diversos tipos de transtorno e prejuízos causados tanto aos cidadãos comuns e trabalhadores quanto aos empresários.

No meio do vídeo, Filipe cometeu um pequeno equívoco. Ele chamou os sindicalistas de “vagabundos”, o que gerou revolta entre eles. Os cutistas ficaram tão furiosos que resolveram atacar o vereador, e agora querem representar contra ele para que perca o mandato, o que é uma clara tentativa de censura.

Sim, de fato Filipe cometeu um erro ao chamá-los de “vagabundos”, porque isso é um mero eufemismo. Os membros da CUT, por outro lado, não são inofensivos. Eles são perigosos, e se praticam o terror merecem ter o rótulo correto, o rótulo de terroristas.

Chamá-los de vagabundos é realmente muito pouco. Foi o único equívoco cometido pelo vereador.

Anúncios

2 comentários sobre “Chamar de “vagabundos” foi pouco. Por que Filipe Barros não chamou as milícias pró-PT de terroristas?

  1. É assustador o crescimento da intolerância. Os intolerantes são também arrogantes. E aí é um passo para serem truculentos, que querem eliminar o diferente deles. Pior ainda: utilizam-se de elementos religiosos, querem ser santos, seguidores de Jesus, mas se assemelham justamente aos que pediram sua morte e o crucificaram. O diferente não é contrário, ensina Jesus Cristo.
    Intolerantes, arrogantes e truculentos querem os bolsonaros que matem os diferentes deles… Pobre mundo ! Pobre Jesus que deu a vida para “todos” tenham vida, e para que nos amássemos como irmãos, e não que nos “amassemos” como inimigos!

Deixe uma resposta