Unicamp suspende por dois semestres estudante de extrema-esquerda que interrompeu aula de professor durante greve

A Unicamp suspendeu por dois semestres, o aluno de extrema-esquerda que interrompeu a aula de um professor do Instituto de Matemática, durante a greve dos estudantes e a invasão da reitoria no dia 21 de junho de 2016. Na ocasião, o rapaz entrou autoritariamente na sala de aula e apagou os exercícios que o docente escrevia na lousa. A punição ainda cabe recurso e pode ser revertida para serviços comunitários dentro da instituição. A informação foi confirmada pela Unicamp nesta terça-feira (25). A matéria é do G1.

Um vídeo que circulou na internet mostrou a ação do aluno, que, junto com outros dois jovens, tentou impedir o professor Sergei Popov de continuar a aula durante o período de paralisação dos estudantes na Unicamp. Eles não apenas interromperam a atividade, eles também entraram na sala com instrumentos de percussão e fizeram uma batucada. Em agosto, a Justiça determinou a retirada das imagens de todas as redes sociais.

A Unicamp abriu uma sindicância para apurar a ação do estudante. Logo após a realização de audiências, a decisão foi pela suspensão do aluno por dois semestres. Antes de deixar o cargo para o sucessor Marcelo Knobel, o reitor José Tadeu Jorge acatou a sugestão da comissão e manteve a determinação. A punição foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo na última quarta (19).

“Esta penalidade poderá ser suspensa se o aluno expressamente optar pela prestação de serviços comunitários na universidade, no Serviço de Apoio ao Estudante (SAE), durante 10 horas semanais, por período igual ao da suspensão. Se ao final do 2º semestre de 2017 a prestação de serviços comunitários tiver sido integramente realizada, a penalidade de suspensão será extinta”, diz o texto da instituição publicado no Diário Oficial.

O advogado do professor Sergei Popov, Affonso Pinheiro, entendeu a decisão da reitoria da Unicamp como “uma vergonha” porque queria a expulsão do estudante. De acordo com o defensor, ele vai pedir que a reitoria reconsidere a decisão e, caso não haja mudança, será protocolado um recurso judicial na Vara da Fazenda Pública de Campinas.

“Esse aluno precisa ser expulso da universidade para que não ocorram mais casos como esses. Sala de aula é lugar de aprendizado e não de fazer bagunça. Não podemos reconhecer greve de estudantes, principalmente em uma universidade pública. Vamos tentar que essa decisão seja reconsiderada”, disse o advogado ao G1.

Anúncios

33 comentários sobre “Unicamp suspende por dois semestres estudante de extrema-esquerda que interrompeu aula de professor durante greve

    1. É inaceitável qualquer tipo de desrespeito para com o Professor, principalmente se ele está cumprindo corretamente o seu dever; caso esteja falhando em suas obrigações, o seu superior imediato (Coordenador Pedagógico ou Diretor) deve ser comunicado, e não o aluno partir para a agressão. O educando tem que ter isso em mente, caso contrário, não adianta querermos ”melhorar” a sociedade.

    2. Concordo plenamente e faço duas ressalvas:
      Primeiramente, o elemento deveria ser jubilado(que significa nunca mais poder cursar uma escola pública);
      Segundo, é um absurdo querer tansformar a simples punição de suspensão por dois semestres, em trabalhos comunitários. Por que isso? No mínimo, é expulsão mesmo. O marginal não pode reclamar. Não está na faculdade pra estudar, principalmente, de graça.

  1. Pena alternativa para este caso é um incentivo para que outros baderneiros façam o mesmo. Dar suspensão para quem não gosta d estudar é falta d respeito c/ os professores e c/ a UNICAMP

  2. Resumindo, esse pessoal de esquerda provando e comprovando que não passam de débeis mentais.
    Expulsão pra vagabundos como esses deveria ser regra!

  3. O caso não tem previsão de expulsão?
    Se tiver, e não cumprida, estar-se-ia passando a mão na cabeça do desrespeitoso e prepotente aluno.
    Que parece ser o que ele vem recebendo na vida, pela atitude.
    Até que, num ato mais grave, a justiça o leve pra cadeia.
    Vamos, Unicamp, ensine-o a arcar com a consequência dos próprios atos!
    Dê uma chance ao rapaz.

    1. Sabe, fui dura em meu comentário…
      Claro que o aluno merece uma chance.
      Pensando que ele dá o que sempre recebeu, ele está reproduzindo, mas como ele, estamos todos numa escola maior, a escola da vida…
      Somos responsáveis pelas consequências de nossas escolhas.

      1. Vilma, você não foi dura no comentário anterior.
        Ao menos, você estava mais lúcida quando o fez.
        Neste comentário aqui, você está se mostrando conivente com o marginal.
        Merece cadeia e ser jubilado. (pesquise o que é isso)

  4. Esse vídeo me deixou estarrecida. Nunca pensei em vet tamanha falta de respeito.
    Esse rapaz sabe com quem mexe.
    Todos os funcionários da instituição deveriam paralisar todo serviço até que o aluno fosse expulso.
    Que profissional ele será?

  5. Imaginei já terem expulsado esse mau caráter! Ele volta e faz a mesma coisa depois! E vai de dois em dois semestres, continuar o desrespeito desmedido ao professor. E a valorização desse professor, que passou anos de sua vida dedicando-se aos estudos para ser tratado como lixo? Unicamp errou feio, na minha opinião! Estou revoltada! NÃO AO MAL ALUNO !!!!!

  6. Esse é um claro exemplo do que essa merda de esquerda está fazendo no Brasil. Entupiram as universidades com reitores e professores vermelhos pra incutirem na cabeça dos jovens essa ideologia podre e maldita.

  7. O mínimo que esse anormal merecia era a expulsão!! Greve de alunos? Isso é falta de vergonha, o anormal não gosta de estudar, quer bolsas para não trabalhar, está certo o professor, lutar para esse marginal ser expulso e nunca mais ser aceito em instituições de ensino público, e se eu fosse dono de alguma universidade particular, também não aceitaria esse débil mental!!

  8. Sou professor e se esse vagabundo fosse aluno meu, acontecesse o que acontecesse, mas eu tiraria no minimo três dentes da boca dele com um soco no pé da cara, cabra safado vagabundo! Ah se fosse comigo! Hum…

  9. Essa punição é pouca, deveria ser expulso da Universidade. Que profissional vai ser esse educando? Se hoje ele aje assim, imagino no futuro.
    As leis deream direitos aos educandos, mas esqueceram de lhe darem os deveres.
    Os educadores estão a mercê dos vândalos que frequentam as universidades, tipo esse que impediu o professor a cumprir sua carga horária. Não sabe ele que o educador cumpri seu horário, pois é dele que sobrevive.

Deixe uma resposta