Jean Wyllys ataca Lava-Jato e é oprimido por Kim Kataguiri nas redes sociais; veja vídeo.

por Rafa Silva

O ativista liberal Kim Kataguiri, do MBL, parece não estar sabendo lidar com toda a carga de hipocrisia presente no discurso do deputado Jean Wyllys, do PSOL. Em postagem recente em suas redes sociais, o ex-BBB afirmou que a operação Lava-Jato é autoritária e “persegue as esquerdas”.

Jean emitiu este juízo na sequência de uma série de delações que envolvem colegas de partido como Luciana Genro e Brizola Neto, nomes de destaque do PSOL em âmbito nacional.

Confira a reação de Kataguiri aos absurdos ditos por Jean:

Textão do deputado

Em seu textão, Jean afirma que “a Força Tarefa e suas instituições não estão procedendo da mesma forma com os profissionais liberais que prestaram serviços ao Instituto Fernando Henrique Cardoso“. A idéia é criar uma falsa percepção de que a Lava-Jato é ideologicamente seletiva, perseguindo apenas “lideranças da esquerda”. Ledo engano. Grandes figurões  odiados pela esquerda como Eduardo Cunha já encontram-se encarcerados; nomes como Dilma e Lula, porém, ainda estão na rua.

O texto deixa claro que Jean quer defender sua amiga Luciana Genro. Ela ainda tem muitas explicações a dar após às recentes delações que envolvem seu nome….

ESTADO DE EXCEÇÃO (OU ESTAMOS NUM CONTO DE KAFKA)?

 

A Operação Lava a Jato, em função da investigação sobre a suposta participação do Instituto Lula em esquemas de corrupção, está, por meio de instituições como a Receita Federal e a Polícia Federal, intimando (e até conduzindo coercitivamente em alguns casos), profissionais liberais que prestaram qualquer serviço ao instituto. Não importa quando tenha sido o contrato firmado.
As pessoas estão sendo constrangidas por notificações e, como já disse, até conduzidas coercitivamente a prestarem esclarecimentos aos investigadores antes de serem devidamente notificadas. Estão sendo tratadas como culpadas previamente e estão lhes exigindo que provem sua inocência. Ora, isto não é característica de uma democracia, mas de um estado de exceção! – E quem ainda duvida de que entramos num estado de exceção, em que a presunção de inocência desapareceu para uma parcela da população (aliás, para pobres e para pobres negros em especial, ela nunca existiu mesmo!), principalmente em função das ações dessa instituição paralela que desrespeita a Constituição Federal chamada Força Tarefa da Lava Jato?


As pessoas intimadas e conduzidas coercitivamente estão inclusive com medo de denunciar publicamente as arbitrariedades de que estão sendo vítimas porque temem, desde já, ficarem estigmatizadas como “ladras” ou “corruptas”, já que, para a parcela antipetista e (falso)moralista da população, a simples menção no âmbito da Lava a Jato já é um atestado de culpa. Muitas estão se sentindo como o personagem de Kafka em O Processo, conduzido a julgamento por um suposto crime que ele não sabe qual é nem se cometeu.


É óbvio que não preciso dizer para vocês que a Força Tarefa e suas instituições não estão procedendo da mesma forma com os profissionais liberais que prestaram serviços ao Instituto Fernando Henrique Cardoso. Para os tucanos do PSDB e mesmo para pessoas ligadas ao PMDB – partidos que compõe o governo ilegítimo de Michel Temer, que está empreendendo o ataque aos direitos trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores e trabalhadoras – a presunção de inocência e as garantias jurídicas existem. Para os outros, a Lava a Jato e a a cobertura do telejornalismo da Globo reservam o Estado de Exceção.


Ora, Polícia Federal, Receita Federal, procuradores federais e juiz Sérgio Moro, vocês não têm vergonha desse anti-republicanismo explícito? Queremos, sim, a investigação das denúncias de corrupção, mas também queremos apartidarismo e respeito ao tempo das garantias jurídicas por parte das instituições responsáveis por essas investigações!

Jean Wyllys (PSOL-RJ)

Anúncios

2 comentários sobre “Jean Wyllys ataca Lava-Jato e é oprimido por Kim Kataguiri nas redes sociais; veja vídeo.

Deixe uma resposta