Desaceleração de Doria nas redes sociais pode ter a ver com manutenção de secretário pró-doutrinação

por Roger Scar

De acordo com a pesquisa realizada pelo jornal Vértice Online, o prefeito paulistano João Doria teve uma queda considerável no engajamento de suas redes sociais. O motivo disso pode ser, e provavelmente é, a manutenção de Alexandre Schneider como Secretário da Educação e a leniência do prefeito em relação aos desmandos da extrema-esquerda na Câmara Municipal.

Neste mês de abril foi aberta a polêmica em São Paulo referente ao projeto Escola Sem Partido. O vereador Fernando Holiday, do DEM, esteve em uma escola pública para fiscalizar o trabalho dos professores, o que é permitido pela Lei Orgânica do município e não viola absolutamente nenhuma regra ou código de ética. No entanto, o secretário se mostrou contrário e deixou clara sua posição favorável a doutrinação ideológica nas escolas.

Depois disso, houve desgaste. Prefeito e aliados passaram a ter muitos desentendimentos, e o fato de Doria ter mantido Schneider na pasta da Educação, mesmo após declarações públicas desastrosas, parece ter causado um revés muito grande justamente naquilo em que o prefeito é especializado: publicidade online.

Veja abaixo alguns dados levantados pelo Vértice:

doria1

doria2

doria3

Diz o Vértice:

“A estagnação e possível declínio começam a tomar corpo justamente no momento em que o prefeito tergiversa em lidar com polêmicas em torno de seu mandato. O ataque do secretário de Educação Alexandre Schneider contra o vereador Fernando Holiday (coordenador do Movimento Brasil Livre) desencadeou a primeira grande dor de cabeça para o prefeito presidenciável. Mesmo reconhecendo o erro do secretário em entrevista ao Estadão, Doria acabou por recusar o pedido de demissão apresentado por Schneider. O que deveria servir como mote para uma trégua abriu um novo episódio de embate quando o secretário se uniu a arqui-inimigos da própria gestão contra o Escola Sem Partido. Na semana passada, uma articulação entre ONGs ligadas aos partidos Rede, PSOL e PT conseguiu obter da ONU um parecer condenando o programa Escola Sem Partido por suposta censura em sala de aula, contrariando as tratativas de Direitos Humanos que norteiam o projeto e que estão presentes no Pacto de San José da Costa Rica. Schneider também criou constrangimento ao ser apoiado por um abaixo-assinado de lideranças de extrema-esquerda como Pedro Abramovay (Avaaz e Open Society, ligado ao PT), Neca Setúbal e Pedro Markun (Rede), Isa Penna e Sâmia Bomfim (PSOL), além do ativista Daniel Cara (PT/MST).” 
É provável que isso não seja um problema irreversível para a imagem do prefeito, mas se ele deixar a bola de neve crescer talvez tenha perdas inestimáveis entre aqueles que o apoiam.
Anúncios

4 comentários sobre “Desaceleração de Doria nas redes sociais pode ter a ver com manutenção de secretário pró-doutrinação

  1. O fato é que precisamos passar nosso país a limpo, o trabalho do Prefeito João Doria está sendo exemplo para essa classe de políticos viciados em sujeiras de corrupção. Precisamos ter cautela com as críticas, até então o nosso Prefeito é um gestor muito transparente, vamos apoiá lo em suas decisões é aguardar os resultados. É isso.

Deixe uma resposta