Filipe Barros reduz a pó Secretária de Educação contrária ao Escola sem Partido

por Rafa Lima

O vídeo abaixo é extremamente ilustrativo. O vereador Filipe Barros (MBL) , de Londrina, foi surpreendido na última semana com o parecer negativo da Secretária de Educação de seu município, Maria Tereza Paschoal, a respeito do projeto “Escola sem Partido”, pleiteado pelo edil no início de seu mandato.

Para esclarecer as dúvidas, Filipe questiona – cara a cara – a secretária à respeito das características do projeto, e a mesma CONCORDA com todos os pontos. De agora em diante, não restam dúvidas de que a negativa da secretária só ocorre por conta da pressão política de grupos organizados que querem a permanência da doutrinação política de vulneráveis.

Guerra à doutrinação dá o tom do MBL

Além de Filipe, o vereador Fernando Holiday, de São Paulo, lidera uma frente similar no combate à ação política de grupos de esquerda em salas de aula. Suas visitas à escolas renderam uma sofisticada ação coordenada de ONGs e milionários para tentar intimidar o jovem vereador paulistano.

 

 

Anúncios

Um comentário sobre “Filipe Barros reduz a pó Secretária de Educação contrária ao Escola sem Partido

  1. Eu sou contra a doutrinação das escolas,por se prestar aos objetivos políticos de extrema-esquerda, para se apoderar do país . O comunismo camuflado, travestido de socialismo como forma de REGIME TOTALITÁRIO, opressor das liberdades individuais, favorece a elite de esquerda desde intelectuais,empresários e cidadão comum em idéias dominantes.O Brasil é um país continental e RICO !Daí suscita a voracidade da posse de suas riquezas, esse é o verdadeiro motivo da colonização comunista que retorna praticada por nacionais. EM resumo, DOMINAR PARA EXPLORAR com todas as funestas consequências para um povo de índole alegre e manso.Como atingir de forma rápida e insidiosa ? nas escolas junto aos jovens. Como continuam a atingí-los deve o governo federal a PROIBIÇÃO da DOUTRINAÇÃO DO COMUNISMO NO TERRITÓRIO NACIONAL. ASSIM ESPERO.

Deixe uma resposta