Baile tático de Moro desestabiliza as esquerdas; tese da violência ganha força entre militantes.

por Rafa Silva

As últimas semanas foram palco de um grande baile tático protagonizado pelo Juiz Federal Sérgio Moro, da 13a Vara Federal do Paraná. O magistrado resistiu às pressões advindas dos advogados de defesa, deu andamento a mais uma fase da operação Lava Jato e colocou a tentativa de ação protelatória de Lula no chinelo: em despacho recente, obrigou Pixuleco a comparecer em todas as oitivas das 87 testemunhas de defesa arroladas pelo ex-presidente.

Com calma e técnica, Moro está conduzindo o momento mais crítico da operação. Enquanto o STF leva à frente as denúncias oferecidas pela PGR contra políticos com foro privilegiado, caberá ao magistrado conduzir a chuva de delações de empreiteiros e agentes políticos sem foro, como é o caso de Antonio Palocci. Até agora, o que vimos foi um 7×1 do juiz nas chicanas da Orcrim.

Violência e intimidação

Em desvantagem no campo jurídico e massacrados na opinião pública, os líderes da esquerda brasileira tem poucos recursos para sobreviver ao andamento da Lava Jato. O boquirroto Ciro Gomes havia sugerido o sequestro do ex-presidente Lula diante de uma iminente condenação. O PCO (Partido da Causa Operária), por seu turno, propõe uma revolta operária armada que impeça a prisão do grande líder sindical.

“Dia 3 está marcado o depoimento do ex-presidente e é essencial que todos estejam presentes para garantir que a direita não o prenda”.

Rui Costa Pimenta – presidente do PCO

Até agora, de prático, vimos apenas a mobilização da CUT e dos Movimentos Sociais à soldo do PT para cercar a Justiça Federal durante a oitiva de Lula junto a Sérgio Moro, no dia 3 de Maio. Sem causa para protestar, a massa de “militantes mortadela” deverá gritar em nome de seu líder maior e provocar distúrbios à ordem pública; espera-se vandalismo e agressões nas ruas de Curitiba.

Anúncios

2 comentários sobre “Baile tático de Moro desestabiliza as esquerdas; tese da violência ganha força entre militantes.

  1. Portanto agora veremos de que lado as FFAA estão. Se ficaram aquartelados darão a certeza de que o povo honesto deste país está sozinho e portanto uma guerra civil será iminente. As esquerdas estão contando com a neutralidade das FFAA e assim nada mais restará a não ser o confronto.

  2. Caros colegas, boa tarde!

    Acerca do emprego das FFAA para conter uma possível ação armada da ORCRIM contra o Fórum de Curitiba, não será necessário, bastando a força policial, os órgãos de inteligência e a própria FFAA à distância coordenarem esforços para identificarem e preverem riscos para o dia 03 de maio.

    Caso as FFAA fiquem na linha de frente do Fórum, é grande o risco de esses mortadelas se vitimizarem, baterem umas fotos e registrarem uns vídeos editados para construírem e venderem, no Brasil e no Mundo, a narrativa de que as elites de direita estão concluindo o projeto de golpe com a prisão de Lula, apoiada no uso das forças armada na porta do Fórum para conter “o povo que luta pela democracia”.

    Para o dia 3, três camadas de defesa no perímetro do Fórum, com o emprego coordenado e reforçado das Polícias Federal, Civil e Militar dão conta, com os órgãos de inteligência fazendo o controle à distância e com as FFAA aquarteladas em regime de prontidão são suficientes.

    Saudações e cadeia para a ORCRIM que busca venezuelizar o nosso país!

Deixe uma resposta