Campanha de Gleisi ao governo de PR teria sido turbinada por R$ 5 mi da conta “Italiano”

Marcelo Odebrecht e outros dois delatores da empresa afirmaram que a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), uma das principais defensoras do governo Dilma Rousseff e ex-ministra da Casa Civil, recebeu R$ 5 milhões de caixa 2 em sua campanha ao governo do Paraná, em 2014.

“O marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, também teria participado da cobrança dos valores, que estavam relacionados a uma abertura de abertura de crédito de R$ 50 milhões para financiamento à exportação de bens e serviços da Odebrecht para Angola, África. Essa doação foi feita por caixa 2″, afirmou Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o líder empresarial da área de infraestrutura da Odebrecht. Ele contou ter sido acionado por Marcelo Odebrecht para que o pagamento de R$ 5 milhões fosse efetuado para a campanha de Gleisi.

O delator disse que o valor seria referente à “conta corrente” do PT da campanha presidencial de 2014 – que era gerenciada pelos ex-ministros Antonio Palocci, o “Italiano”, e Guido Mantega, o “Pós-Itália”. Essa conta chegou a ter “um pouco mais de R$ 200 milhões” de saldo, afirmou Marcelo Odebrecht.

Ele contou que essa conta tinha quatro origens dentro da Odebrecht, um deles sendo a linha de crédito para Angola, que entre 2009 e 2010 foi ampliada para R$ 1 bilhão. Paulo Bernardo, então ministro do Planejamento, teria cobrado US$ 40 milhões – na época, equivalente a R$ 64 milhões – para ampliar os valores dessa linha de crédito para US$ 1 bilhão. “Um dos beneficiados desse valor foi a Gleisi, na campanha dela”, afirmou Odebrecht.

Benedicto Júnior teria entregado as cópias de e-mail com os registros de pagamentos para “Coxa” e as planilhas do sistema criptografado de comunicação do setor de propinas para os procuradores da Lava Jato para comprovar o que afirmou.

Outro executivo da Odebrecht, Valter Lana, contou que foram feitos repasses de caixa 2 para as campanhas de Gleisi em 2008, para a prefeitura de Curitiba, em 2010, para o Senado e depois em 2014 para o governo do Paraná.

Ele afirmou que os contatos eram com Paulo Bernardo, em Brasília e no Paraná, inclusive no apartamento do petista, no seu gabinete no governo e em uma padaria da cidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s