Senador Lindbergh Farias é acusado de receber R$ 4,5 mi da Odebrecht

O STF autorizou a abertura inquérito para apurar o repasse de R$ 4,5 milhões em propinas para as campanhas de 2008 e 2010 do senador Lindebergh Farias (PT-RJ), principal candidato à presidência do PT. O petista, segundo afirmaram dois delatores da Odebrecht, é identificado nas planilhas do Setor de Operações Estruturadas como “Lindinho” e “Feio”.

“Segundo o Ministério Público, relatam os colaboradores o pagamento de vantagens indevidas não contabilizadas no âmbito da campanha eleitoral dos anos de 2008 e 2010, nos valores respectivos de R$ 2 milhões e R$ 2,5 milhões, que tinham como motivação o potencial de projeção do parlamentar”, informou o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato, no STF.

“Os repasses foram implementados por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, sendo o beneficiário identificado no sistema ‘Drousys’ como ‘Feio’ e ‘Lindinho’”, registra a ordem de abertura do inquérito 4415/DF, que integra a Lista de Fachin.

“Em contrapartida às doações, o parlamentar, então prefeito do Município de Nova Iguaçu/RJ, teria beneficiado a empresa Odebrecht em contratos administrativos relacionados ao programa ‘Pró-Moradia’.”

Lindbergh já havia sido alvo de pedido de investigação anterior na Lava Jato, mas o caso acabou sendo arquivado.O senador foi citado nas delações de Benedicto Barbosa da Silva Júnior, que foi um dos chefões da Odebrecht no setor de infraestrutura, e Leandro Andrade Azevedo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s