Jornalistas defendem Eduardo Guimarães com conversa de “sigilo de fonte”, uma mentira…

por Baltazar Soares

Mônica Bergamo, Kennedy Alencar, Ricardo Noblat e outros jornalistas menos conhecidos estão desde ontem forçando uma narrativa que é simplesmente mentirosa.

Passou-se a dizer, após a condução coercitiva de Eduardo Guimarães, que a Polícia Federal queria que o mesmo revelasse suas fontes – o que, na realidade, um jornalista não é mesmo obrigado a fazer. O problema é que isso nunca aconteceu. A PF não exigiu de Guimarães, em momento algum, que revelasse suas fontes. Esta nem era a razão para pedir sua condução. Ele foi levado à PF para dar explicações sobre uma possível tentativa de obstrução da Justiça.

Conforme publicamos ontem, aqui mesmo, o próprio Eduardo Guimarães negou que esta tenha sido a razão da condução. Ele disse isso diante de câmeras que o filmaram, portanto é uma evidência. É mais provável que tenha sido algo dito por descuido e não por honestidade, mas ainda assim está dito.

De onde surgiu esta narrativa? Ninguém sabe. Nenhum documento da Polícia Federal dá conta de que ela teria algum interesse em cobrar de Eduardo as suas fontes. Também na ordem expedida pelo juiz Sérgio Moro para sua condução não há nada do tipo. Essa ideia surgiu simplesmente para desvirtuar a história, para esconder os fatos.

Agora, resta saber é se os outros jornalistas que defenderam o blogueiro petista estão mancomunados com ele ou se são apenas vítimas de uma mentira forjada que se espalhou. Sinceramente, não dá para esperar muito de Kennedy e Mônica Bergamo…

Anúncios

Um comentário sobre “Jornalistas defendem Eduardo Guimarães com conversa de “sigilo de fonte”, uma mentira…

  1. Se esse indivíduo é de fato jornalista como dizem (uma vez que ele próprio se diz comerciante) e entregou a sua fonte tão facilmente (como dizem) demonstrou não ser um profissional da área tão confiável.

Deixe uma resposta