Eduardo Guimarães já havia praticado ato hediondo em 2014 ao perseguir funcionária do Santander que “criticou” Dilma

Eduardo Guimarães, o blogueiro que foi levado pela Polícia Federal para dar explicações ontem, é o mesmo que, em 2014, obteve informações de forma suspeita sobre o Santander. Na ocasião, ele estava perseguindo a funcionária do banco, Sinara Polycarpo, em virtude de um relatório que a mesma escreveu, e que provava algumas mentiras do governo de Dilma Rousseff.

Quando o relatório veio à tona, toda a esquerda brasileira caiu matando. Praticaram linchamento virtual contra Sinara e destruíram sua reputação. O banco Santander, que também agiu errado, alegou ter demitido a funcionária, o que aparentemente não chegou a acontecer. O blogueiro Eduardo Guimarães, que obteve acesso ilegal a informações internas do banco, provavelmente em virtude de um hacker ou algum funcionário ligado a um sindicato, passou a veicular a notícia de que Sinara não havia sido demitida, e com isso passou a cobrar a demissão da mesma.

Sem entrar no mérito da questão, por não haver mérito algum nela, é no mínimo questionável a postura de um sujeito perseguir tão veementemente alguém por ter dito a verdade. Sinara Polycarpo apenas relatou fatos que comprovavam a mentira de Dilma, e uma pessoa sensata ficaria chateada ou incomodada com Dilma, não com quem comprovou que ela mentiu.

Algum tempo depois, aliás, o relatório de Sinara veio a ser comprovado pelos fatos, o que mostra que no ato dela não havia qualquer intenção política, mas meramente informativa. O texto de Eduardo Guimarães, originalmente escrito em seu Blog da Cidadania, foi deletado (ver link), o que reforça a tese de que o blogueiro agiu de má fé. No entanto o mesmo artigo foi replicado pelo site petista Brasil 247, e ainda pode ser acessado para comprovar que as informações obtidas por Guimarães são, no mínimo, de origem ilegal.

A covardia dessa gente é inacreditável…

Anúncios

2 comentários sobre “Eduardo Guimarães já havia praticado ato hediondo em 2014 ao perseguir funcionária do Santander que “criticou” Dilma

Deixe uma resposta