Esquerda tucana inicia boicote a Dória; entenda a razão

por Baltazar Soares

Ao despontar como principal liderança do PSDB no Brasil, João Dória tirou do sério as “vacas sagradas”do tucanato que tentam a todo custo explorar seu eleitorado com uma falsa oposição ao PT. Liderados por Alberto Goldman, vice presidente da sigla, os tucanos de esquerda não estão sabendo lidar com as parcerias público privadas promovidas pelo novo alcaide paulistano, tampouco com seu jeito midiático e espontâneo.

À publicação Expresso, Goldman afirmou:

“Não tem o perfil da história política do PSDB”, afirma. Goldman, que criticou a candidatura de Doria à prefeitura da capital paulista no ano passado, disse que o prefeito ainda não fez nada de relevante desde que assumiu o cargo, há pouco mais de dois meses. “Quem mais trabalhou até aqui foi sua equipe de marketing.” Goldman vai além: afirma que Doria perdeu a chance de “sair de odalisca” durante o Carnaval. “Seria mais um motivo para aparecer nos jornais porque resultado (gestão) mesmo não há nenhum.”

Seus ataques à Dória vem ocorrendo desde as prévias tucanas de 2016, quando o atual prefeito derrotou o preferido de Serra, Goldman e FHC, o agora ex-tucano Andrea Matarazzo. A derrota representou um profundo revés para esse agrupamento tradicional do tucanato paulista, que perdeu o pouco de espaço que lhe restava e passou a ser uma força minoritária dentro do partido.

As eleições de Dória e Marchezan representam uma inflexão à direita no PSDB. Em recente entrevista, o prefeito de Porto Alegre afirmou que “pode ser considerado um liberal”, um enorme passo à frente em relação às posições do partido. Não à toa, são as duas lideranças que despontam como futuro da legenda, sendo que Dória já é cotado como forte candidato a presidente da república.

Futuro

Com as eleições 2018 se aproximando, o tucanato vermelho parte para o desespero. Sem condições de lançar um candidato a presidente, tentam emplacar um nome para o governo de São Paulo. Deverão encontrar forte resistência na sociedade. De acordo com Renan Santos, líder do Movimento Brasil Livre, “nomes como José Serra, José Aníbal e Aloysio Nunes contarão com nossa oposição caso se candidatem em 2018. Ou avançamos com uma agenda liberal e transformadora, ou permaneceremos empacados nos consensos de 30 anos atrás.

Nas redes, o que se percebe é um quadro ainda pior: os internautas enaltecem Dória pelas críticas recebidas de Goldman. A percepção é de que seu distanciamento de um perfil histórico de tucano reforça ainda mais sua condição de gestor, que caiu no gosto dos paulistanos.

O desespero de Goldman deve ser entendido como o desespero de um PSDB que perdeu importância para o país; de uma geração de políticos que obtinha seus votos cuspindo nos valores e aspirações do seu próprio eleitorado. Perder espaço para a direita liberal de Dória e Marchezan é um final de carreira que eles jamais esperariam.

 

 

Anúncios

3 comentários sobre “Esquerda tucana inicia boicote a Dória; entenda a razão

  1. E na verdade o PSDB , se tornou alvo de corrupção, qual PSDB não está envolvido em um eacndalo eu votei no Aécio hoje não votaria mais muito menos no Geraldo Alckmin, está com RABO preso…. Telhado de vidro isto prova às pesquisa.,

  2. E os Liberais vão conquistando espaço na política nacional, blindados pelo “S” da sigla do partido. Num país tão envergado pra esquerda, esse avanço não seria possível de outra forma.

    A expressão “Liberal” ainda assusta. Principalmente nas classes econômicas mais baixas. Soa sempre – graças ao coro esquerdista – como supressão de direitos.

    O desafio, e talvez a maior façanha de Doria e Marchezan, será conseguir remodelar o conceito de Liberalismo, a ponto torná lo mais tragável a uma sociedade vítima de uma overdose de socialismo.

Deixe uma resposta