Augusto Nunes para Gleisi Hoffmann: “cirurgia plástica pode consertar um rosto mas nunca um caráter”

Qual a relação entre cirurgia plástica e caráter? Infelizmente, para Gleisi Hoffmann, nenhuma. É o que comprova Augusto Nunes, em sua coluna da Veja nesta semana.

O jornalista cita a conduta altamente duvidosa da petista e mostra que é possível fazer milagres com uma cirurgia plástica (como mostra a foto que ilustra esta matéria, mostrando o antes e depois de Gleisi). Mas nem o mais hábil dos cirurgiões pode consertar um caráter.

Quer exemplos, certo? Lá vão eles, extraídos diretamente de artigo publicado na folha no dia 20/02, onde ela, na condição de boa petista, é hipócrita e cínica (com comentários de Augusto Nunes):

“1. Travaremos uma oposição sistemática e sem trégua a esse governo que nunca reconhecemos.
Gleisi votou duas vezes em Michel Temer, candidato a vice-presidente de Dilma Rousseff na chapa formada pela coligação PT-PMDB. Subordinou-se ao atual presidente quando Dilma lhe entregou a coordenação política do governo. Chefe da Casa Civil, conviveu amavelmente com ministros que hoje estão no primeiro escalão de Temer. Só depois do impeachment descobriu que os antigos aliados merecem levar chumbo em tempo integral.

2. Não fugiremos ao dever de apontar saídas para a crise econômica e social que se abate sobre o Brasil. Nós temos propostas ─ até porque já governamos este país e sabemos o que é preciso oferecer para destravar a economia e minorar as aflições dos que sofrem com o desemprego, a queda na renda e a falta de perspectivas. Muita coisa pode ser feita.
Por que Gleisi não apontou tais saídas a Dilma quando ocupava uma sala no 4° andar do Planalto, logo acima do gabinete presidencial? Por que as propostas que destravam a economia e reduzem o desemprego não foram materializadas antes que se consumasse o desastre inverossímil? Se “muita coisa pode ser feita”, por que Dilma nada fez enquanto desgovernava o país?

3. O PT cometeu erros, não negamos, e estamos pagando por isso. Mas nos custa caro ver que, sob a falsa desculpa de corrigir esses erros, estão destruindo todo um legado de avanços conquistados nos últimos 13 anos.
“Erro”, sinônimo de “malfeito” no Dicionário da Novilíngua Companheira, é conversa de 171. As duas espertezas livram os poderosos canalhas da pronúncia de palavras usadas em língua de gente ─ crime, delinquência, bandidagem, safadeza, vigarice, roubo, sem-vergonhice, ladroagem, bandalheira, canalhice. Os governos petistas não deixaram um legado. Deixaram a verdadeira herança maldita: um país destruído pela corrupção e pela incompetência.”

 

Anúncios

Um comentário sobre “Augusto Nunes para Gleisi Hoffmann: “cirurgia plástica pode consertar um rosto mas nunca um caráter”

Deixe uma resposta