Após um mês de retorno da velocidade normal nas marginais, número de acidentes fatais caiu 30%

Para desespero de todas as ONGs, movimentos sociais e partidos de extrema-esquerda que tentaram atacar João Dória após o retorno da velocidade normal nas marginais Pinheiros e Tietê, dados oficiais dão conta de que o número de acidentes não apenas não aumentou, como “especialistas” alertavam, mas ele diminuiu em 30% em comparação ao mês anterior.

A medida de Dória foi uma das suas promessas de campanha. Na gestão anterior, o petista Fernando Haddad havia reduzido a velocidade, uma medida que muitos desconfiam ter sido tomada para aumentar a arrecadação de multas de trânsito. No entanto, a decisão tomada por João Dória tem amplo apoio popular, uma vez que além de não reduzir acidentes a diminuição da velocidade também acarretou em aumento nos engarrafamentos.

No primeiro mês de 2017, foram contabilizadas 60 mortes contra 86 no mês anterior , de acordo com dados do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, o Infosiga, elaborado pelo governo estadual. A queda foi de 25% na comparação com janeiro de 2016, quando foram registrados 81 óbitos.

Advertisements
Anúncios

64 comentários sobre “Após um mês de retorno da velocidade normal nas marginais, número de acidentes fatais caiu 30%

  1. Gosto da atuação do prefeito Dória, mas se estiver atuando de forma a conquistar votos p uma eventual disputa presidencial p o próximo ano, terei certeza que foi planejado e arquitetado pelo partido. Fiquem espertos e aguardem os acontecimentos antes de elogiar demais! A sede de poder desses partidos de esquerda é interminável, voraz e destruidora.

  2. Nada contra o prefeito Dória (e menos ainda a favor do ex-prefeito), mas permitam algumas considerações. 1) O Brasil tem cerca de 290 mil ONGs e 19, isto é, 0,006% protestaram contra o aumento da velocidade nas marginais. Isto é bem menos que “todas as ONGs”; 2) não há registro de qualquer movimento social reconhecido que tenha protestado contra a medida; 3) já é bastante discutível a existência partidos de esquerda atualmente no país mas sem dúvida alguma não há “partidos de extrema-esquerda”.
    A redução de velocidade nas principais vias é uma realidade nos principais países desenvolvidos e a medida se expande neste momento. Neste sentido, São Paulo segue na contra-mão e caso se confirmem as estatísticas mencionadas a cidade será um caso “sui-generis” de inversão.

    1. Não moro em S. Paulo, mas acompanho a atuação de Dória, e acho muito boa! Quanto ao número de ONGs não faço ideia, mas sei que são muitas e 90% são usadas para outros fins, que não a o social! Mas quanto a partidos de esquerda e extrema esquerda, existem sim, e são a grande maioria. Por acaso o Fórum de São Paulo é uma organização sócio-caritativa? O que não existe mais no Brasil, são partidos de direita, e muito menos de extrema direita!

  3. Se, e apenas se, a prefeitura disponibilizasse livremente os dados de acidentes nas marginais (Doria está sentado em cima dos dados mês a mês) poderia-se ter certeza se houve aumento ou não nos acidentes. Essa certeza que a “reportagem” (cadê a assinatura da matéria? Cadê o expediente desse site?) apresenta só se sustenta por ideologia. Jornalismo, especialmente quando estamos falando em vidas, é muito mais do que briguinha esquerda-direita.

Deixe uma resposta