Chapa de Marta sob investigação por fraude na cota das mulheres

O Ministério Público Eleitoral suspeita que houve fraude na chapa de Marta Suplicy (PMDB) e Andrea Matarazzo (PSD) nas eleições do ano passado.

De acordo com a denúncia, a chapa União por São Paulo pode ter lançado candidaturas para vereadores apenas para que se preenchesse o número mínimo de vagas previsto para cada gênero — 70% para homens e 30% para mulheres –, sem o efetivo desenvolvimento das mesmas.

Para o MPE, as candidaturas de Fátima Aparecida Ferreira, a “Índia”, e Vitória Brasília de Souza Lima, a “Coronel Vitória”, são fraudulentas. A data da filiação de Fátima ao PMDB é posterior a data de registro de sua candidatura. Em depoimento, a “candidata” admitiu a manobra. Já Vitória manifestou o desejo de renunciar a sua candidatura no mesmo dia de seu registro.

O episódio torna-se ainda mais curioso quando se constata que é de Marta Suplicy um projeto de lei embrionário que sua chapa parece ter fraudado. Em 1995, a então deputada apresentou o PL 9.100 instituindo o sistema de cotas por gênero.

O MPE pede a cassação de toda a coligação, desde os seis vereadores eleitos até inelegibilidade e multa dos que não se elegeram.

A matéria é da Veja.

Advertisements
Anúncios

Deixe uma resposta