Fake News: Alexandre de Moraes nunca advogou para o PCC

Diversos sites de extrema-esquerda têm divulgado a falsa informação de que Alexandre de Moraes, atual ministro da Justiça e provável indicação ao STF, era advogado do PCC. Essa mentira surgiu devido a um período no qual Moraes sequer estava advogando.

Blogs petistas como Conversa Afiada e Jornal GGN divulgaram a informação, mas isso tudo é fruto de uma mentira bem elaborada para denegri-lo.

Ainda em 2015, uma reportagem do Estadão afirmou que Alexandre constava no Tribunal de Justiça de São Paulo como advogado em pelo menos 123 processos da área civil da Transcooper. A cooperativa é uma das cinco empresas e associações que está presente em uma investigação que trilha movimentações de lavagem de dinheiro e corrupção engendrado pela organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

No entanto, à época, Alexandre disse, por meio de nota, que “renunciou a todos os processos que atuava como um dos sócios do escritório de advocacia” e que estava de licença da OAB durante o período investigado. Ou seja, ele nem mesmo estava advogando naquela época e não há nenhuma evidência de contato direto entre ele e qualquer membro do PCC.

Anúncios

5 comentários sobre “Fake News: Alexandre de Moraes nunca advogou para o PCC

    1. Ainda em 2015, reportagem do “Estado de S. Paulo” afirmou que Alexandre constava no Tribunal de Justiça de São Paulo como advogado em pelo menos 123 processos da área civil da Transcooper. A cooperativa é uma das cinco empresas e associações que está presente em uma investigação que trilha movimentações de lavagem de dinheiro e corrupção engendrado pela organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). À época, Alexandre disse, por meio de nota, que “renunciou a todos os processos que atuava como um dos sócios do escritório de advocacia” e que estava de licença da OAB durante o período investigado. [19]

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Alexandre_de_Moraes

  1. Ainda em 2015, reportagem do “Estado de S. Paulo” afirmou que Alexandre constava no Tribunal de Justiça de São Paulo como advogado em pelo menos 123 processos da área civil da Transcooper. A cooperativa é uma das cinco empresas e associações que está presente em uma investigação que trilha movimentações de lavagem de dinheiro e corrupção engendrado pela organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). À época, Alexandre disse, por meio de nota, que “renunciou a todos os processos que atuava como um dos sócios do escritório de advocacia” e que estava de licença da OAB durante o período investigado. [19]

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Alexandre_de_Moraes

  2. Ele pode não ter advogado diretamente para o PCC, mas ser sócio do escritório de advocacia, e ao que me parece sócio fundador, que estava defendendo a Transcooper em processos de lavagem de dinheiro, ligados a facção criminosa, me parece sim desqualificá-lo completamente para o cargo de ministro do STF.

Deixe uma resposta